DUNU DN-2000

INTRODUÇÃO

A impressão que tenho é que todo dia fico sabendo de uma nova marca de IEMs. E os que acompanham o site – e minhas recomendações – já sabem que estou um pouco por fora desse mundo. Mas o que vejo, principalmente pela minha referência na área, o ljokerl, do The Headphone List, é que as marcas mais tradicionais cada vez mais perdem espaço para entrantes que oferecem alta qualidade de som a um preço mais atraente. E uma dessas entrantes é a Dunu.

No papel, parece só mais uma fabricante chinesa de intra-auriculares, com direito a um site incrivelmente tosco, repleto de erros de ortografia e gramática, uma embalagem que não sabe se é em chinês ou inglês – e quando é em inglês é bem duvidosa – e coisas desse tipo. Mas basta ler as avaliações dos fones da marca para ver que ela é coisa séria.

O modelo que tenho para avaliação é o DN-2000, o atual topo da linha, que custa 250 dólares. É um intra-auricular híbrido de três vias, com um falante dinâmico para graves e um par de armaduras balanceadas, sendo uma para médios e outra para agudos. Em minha experiência, é bem difícil que essa seja uma receita para o sucesso: integrar diferentes tipos de alto-falantes não é uma tarefa fácil.

 

ASPECTOS FÍSICOS

IMG_8022Apesar das idiossincrasias chinesas, a embalagem é luxuosa e o fone vem muito bem apresentado, com uma quantidade realmente impressionante de acessórios: são 10 pares de ponteiras (de 4 tipos, sendo alguns deles projetados para exercer influência específica na sonoridade do fone); um conjunto de espaçadores para as ponteiras, de diferentes tamanhos; três tipos de acessórios para melhorar o encaixe do fone nos ouvidos; um adaptador P2-P10; um adaptador para aviões; um clip para camisa; e, por último, uma caixa rígida de metal para transporte, que é ótima mas poderia ser um pouco menor. O único IEM comparável que conheço, em termos de acessórios, é o Shure SE846, que custa quatro vezes mais.

Fisicamente, o fone em si é basicamente um cilindro de metal. É bem construído, mas um pouco pesado e não é o in-ear mais ergonômico que já vi – felizmente, porém, os diversos acessórios permitem que encontrar um bom encaixe não seja uma tarefa impossível. Pessoalmente, achei que usá-lo com o cabo por cima da orelha me proporcionou os melhores resultados, e ele acabou sendo extremamente confortável – não tanto quanto os melhores in-ears que já usei, mas dá para esquecer que estou com ele.

Um detalhe que gostei bastante é o divisor Y, que também é de metal e possui a peça deslizante totalmente integrada – demorei um tempo para perceber que ela existia. É um pequeno detalhe muito bem pensado. E o cabo em si é de boa qualidade e possui o tamanho ideal. No entanto, é uma pena que ele não seja removível. Num fone desse preço, é um problema que merece atenção.

 

O SOM

IMG_8010Vou resumir numa única expressão minha reação à sonoridade do DN-2000: estou absolutamente encantado. Esse é, sem sobra de dúvidas, um dos melhores intra-auriculares que já pude ouvir. É um dos raros em que não tenho a menor vontade de avaliá-lo, e sim de simplesmente ouvir música. Sua sonoridade, resumidamente, é natural, orgânica e cheia, porém extremamente espacial. Ele superou, por uma gigantesca margem, minhas melhores expectativas.

Vamos começar pelos graves: eles são um pouco elevados, mas é uma elevação espetacularmente bem feita porque se concentra nos sub-graves e não causa absolutamente nenhum mal. Muito pelo contrário – o que ela faz é adicionar peso e autoridade à apresentação. São graves líquidos, definidos, gordos e com excelente textura. E, para completar, como me disse  o dono do fone (grande Athos), eles lembram os graves de um planar magnético porque possuem uma extensão quase infinita. Na For You, da Violet Skies, há alguns trechos em que até o JH Audio Roxanne já desistiu (!), mas o DN-2000 está lá, firme e forte, tremendo o chão.

Veja, não são graves exagerados, longe disso. Considero a apresentação do DUNU equilibrada. É que os graves têm muito peso e força, mas de alguma forma não há qualquer interferência no restante do espectro. Eles possuem um lugar totalmente reservado para eles. Audiófilos, corram para as colinas: nessa região, na vasta maioria dos casos, prefiro o DN-2000 ao Roxanne.

E só não digo que é em todos os casos porque há um pequeno detalhe que pode até ser visto como um defeito no Roxanne, mas é algo que em alguns casos vem para o bem: no DUNU, a impressão que tenho é que existem os sub-graves ocupando um espaço específico, e depois os médios ocupando um outro espaço. A transição dos graves até os médios me parece linear. Já no Roxanne, há aquela característica que citei em sua avaliação: boa parte de seu peso na realidade não está nos graves, e sim nos médios. Há uma boa quantidade de médio-graves nesse fone, o que dá uma sensação de bastante “massa” à sua apresentação. O ar e o respiro a mais que tenho com o DN-2000 estão me agradando muito, inclusive porque dão mais destaque aos fantásticos sub-graves que ele apresenta – entretanto, especificamente com rock, os médio-graves do JH Audio acabam sendo muito interessantes. O som é uma “porrada”, e o DUNU, em contrapartida,  nesses casos me soa mais magro.

acessPorém, basicamente em qualquer outra situação, prefiro o DN-2000 porque tenho todo o peso de belos sub-graves provenientes de um falante dinâmico com extensão virtualmente infinita e uma apresentação bastante espacial.

A transição para os médios num fone híbrido pode ser um problema mas, como já indiquei, felizmente aqui esse não é o caso – longe disso. A apresentação é extremamente coerente, e não há qualquer indicativo de problemas de integração. Os engenheiros da DUNU fizeram um belíssimo trabalho: o falante dinâmico parece estar ali só para complementar as duas BAs de médios e agudos, e fazer aquilo que elas não são capazes de fazer.

Os médios em si são deliciosamente suaves e orgânicos, e em termos de personalidade me lembram um pouco o Roxanne. Ao passo em que eles são relativamente frontais – mais do que no Roxanne, pelo menos – e bastante detalhados, a prioridade me parece ser apresentar uma região doce e sedosa, mas muito natural. Não tenho muito o que falar aqui. É um desempenho fantástico nessa região que não deixa absolutamente nada a desejar. Os médios são capazes de apresentar tanto a doçura de vozes como a de Billie Marten quanto a agressividade das guitarras de Steven Wilson em Blackest Eyes do Porcupine Tree com equivalente desenvoltura.

Inclusive, é uma personalidade que eu não esperaria encontrar num fone que possui uma única armadura balanceada destinada aos médios. Geralmente, fones desse tipo apresentam uma sonoridade mais granulada, mas isso não ocorre com o DUNU. A melhor palavra que descreve seus médios é “sedosos”. Para mim, isso é surpreendente e muito positivo. Tem-se o melhor dos dois mundos: a frontalidade e neutralidade das BAs com a doçura e suavidade dos dinâmicos, ainda que aqui eu esteja falando exclusivamente (acredito) do que está saindo de uma única armadura balanceada.

IMG_8014Outra característica exemplar no DN-2000 – e uma que ele faz melhor do que qualquer intra-auricular universal que já ouvi, e possivelmente do que qualquer custom – é apresentar espacialidade. Especialmente com as ponteiras certas, consigo uma excelente capacidade de imagem, que se obviamente não consegue retirar os sons da minha cabeça, chega perto disso. Ele cria uma ambiência bastante desenvolvida e expansiva, com ótima precisão no posicionamento dos instrumentos. A relação de espaço entre os graves e os médios, novamente, é o que mais me impressiona.

Nos agudos, o bom trabalho continua. Essa região é muito coerente e bem integrada aos médios, porém acho que, pelo menos em relação ao Roxanne, falta um pouco de “polimento”, por assim dizer. O custom da JH Audio é mais refinado e elegante – o DN-2000, em algumas raras ocasiões, sibila e me parece um pouquinho agressivo. No geral, entretanto, as altas regiões apresentam ótimas qualidades, com ótimo timbre e detalhamento, e boa extensão. E, crucialmente, não costumam chamar atenção para si – característica que valorizo muito. Parecem fazer apenas um ótimo trabalho de complementação ao espectro, ajudando a compor o excelente equilíbrio tonal que ouço no DUNU.

 

CONCLUSÕES

Vou alterar ligeiramente uma constatação que fiz anteriormente: estou diante do melhor intra-auricular universal que já ouvi. Veja, não é que ele seja perfeito… tenho medo de ser muito categórico em situações como essa e estar refletindo apenas o que é uma opinião totalmente pessoal acerca de uma sonoridade que, por acaso, está em perfeita sintonia com o que eu valorizo num fone de ouvido. Talvez o DN-2000 seja um desses casos, mas o ponto é que em poucas situações me vi sentindo falta de alguma coisa. O trabalho de um avaliador é ser direto e objetivo, mas temo que aqui não vou conseguir.

IMG_8023O que menos fiz durante esse tempo que passei com ele foi de fato parar para analisar o fone – só ouvi música. E praticamente deixei de lado meus outros fones, por falta de vontade. Queria  mesmo é ouvir como o DUNU apresentava minhas músicas. E o que ouço com ele são graves deliciosos, cheios, de tremer o chão, com extensão infinita, médios sedosos e sedutores, uma espacialidade totalmente inesperada num intra-auricular e agudos coerentes, limpos e extensos. Simplesmente não canso de ouvir música com ele. Ele é absurdamente prazeroso e sua apresentação é incrivelmente encantadora.

Se eu tivesse um esquema de pontuação aqui no site, seria muito rígido. Levaria em conta diversos aspectos, e para um fone ganhar 5 estrelas ele teria que ser realmente excepcional. Pouquíssimos conseguiriam essa façanha – Sennheiser HD600 e Orpheus, JH Audio JH13Pro, Grado HP1000 e RS1i e Stax SR-007 são exemplos de fones que teriam essa pontuação. Sennheiser HD800, Audez’e LCD-2, HiFiMAN HE-6 e outros do tipo ficariam de fora.

O DUNU DN-2000 ganharia as 5 estrelas. Ele simplesmente faz música.

 

DUNU DN-2000 – US$259,00

  • IEM híbrido de 3 vias: falante dinâmico para graves, uma BA para médios e uma BA para agudos
  • Sensibilidade (1 mW): 102 dB SPL/mW
  • Impedância (1kHz): 16 Ω
  • Resposta de Frequências: 10Hz-30kHz

 

Equipamentos Associados:

Portátil: iPod Classic, Sony Xperia Z3, Oppo HA-2

Mesa: Mac Pro, Yulong D100, HeadAmp GS-X

44 Comments
2
  • Alexandre Favero

    Muito bom review, como sempre.

  • Nicolas Kim

    Excelente review! Mais um in-ear que entrou pra a minha lista! Hehehe…

  • Alexandre Favero

    16 OHMS e tal.. Daí eu acho o Dunu DN 2000J…Meu Deus. O que seria algo com 8 OHMS?

    • Pois é, 8 ohms é uma impedância bem baixa… talvez seja um pouco problemático com fones que tenham impedância de saída mais alta!

  • Franklin Moretti

    Avaliação incrível. Parabéns! Na época que tive o DN900, pesquisei MUITO sobre os irmãos maiores dele, e a opinião era unânime e condiziam 100% com sua avaliação. Infelizmente, o “roll-off” brusco dos agudos no DN900 me traumatizou um pouco (minha vivência/referência até então era o Sennheiser HD558), o que me deixou com medo de avançar e tentar o DN1000. Então depois de acompanhar “o mercado” por um tempo, optei pelo Xtreme Ears Xtreme One (150% satisfeito… 😀 ), baseado em sua avaliação e a opinião do Frederico Veloso. Depois do seu artigo, me sentirei mais tranquilo em experimentar, um dia, o DN1000 ou DN2000.

    • Obrigado, Franklin!

      Quando tiver oportunidade, vá no DN-2000 sem medo. Acho difícil vc se arrepender.

      Um abraço!

  • Ronald

    Muito bom! Parabéns! ?

  • Lidson Mendes

    Excelente review, mais um pra lista de futuras compras.

  • ThiagoV

    Muito bom, acho que esse review superou a expectativa de todos os leitores também!! rs. Acabei de ver no facebook da fabricante DUNU que vão lançar o modelo DN-2002 agora em Abril e vai estar incluindo as ponteiras SpinFit, cabo removível e um design mais elegante. Será que a DUNU não consegue mandar um sample para um review? Abs!!

    • Rapaz, bem interessante, não estava sabendo! 🙂

      • ThiagoV

        Pois é, inclusive publicaram seu review na página do fb! Com esse gancho acho que seria legal mandar um e-mail para vivian@dunu-topsound.com (está na assinatura do perfil oficial no hf) apresentando o MTH e como o nicho do Brasil está crescendo e tentar seduzir um sample, eu sei que eles mandam pois vi vários reviews da série TITAN/DN de reviewers bem menos experientes, por assim por dizer…

  • Diogo Lemos

    Estava aguardando ansiosamente o review do Dunu já que você me recomendou anteriormente.
    Onde você adquiriu o seu? Por algum site específico ou comprou nos EUA mesmo? Estou me sentindo tentado a comprá-lo, mas tenho muito medo de acabar comprando um que não seja original. Vc recomenda algum lugar especificamente para compra-lo? Grande abraço e parabéns pelo post.

    • Olá Diogo,

      Esse fone não é meu! É de um leitor, o Athos. Acho difícil que haja falsificações desse modelo, já que é um fone chinês não tão famoso. Acho que dá pra vc comprar no Amazon sem medo.

      Um abraço!

    • Athos

      Diogo, comprei esse Dunu pela Amazon, em uma viagem que fiz. Se você estiver no Brasil, pode comprar lá na Amazon e utilizar um redirecionador para enviá-lo.
      Vi que também tem ele no AliExpress, me falaram que é original, e enviam direto pra cá. Esse eu já não te dou certeza, mas também acho difícil existirem falsificações.

      • Diogo Lemos

        Tudo bem Athos? Então eu queria muito comprá-lo mas tenho medo de extravio tanto via aliexpress como via ebay, onde também posso encontrá-lo. Além disso tem o risco de taxação, pois a caixa dele não é tão pequena a ponto de passar despercebida. Estou na expectativa de que algum conhecido meu vá até os EUA por esses meses e aí vou pedir para trazerem um para mim. Se não vou ter que arriscar pelos sites o que, sinceramente, não gostaria. Abração.

        • Athos

          Ah cara, mas aí são os riscos inerentes ao hobby. Eu não deixaria de curtir um fone – relativamente barato pelo que entrega – como esse por causa disso. Agora se vc tem algum conhecido para trazê-lo, maravilha.

  • Alexandre Favero

    Leo, o Dunu DN 2000 em comparação ao Jaybird Blubuds X fica anos luz à frente? Abs, obrigado por manter esse site que dá inveja na gringa, hehe.

    • Obrigado, Alexandre!

      Rapaz, está beeeem à frente do Jaybird sim – que é um ótimo fone, mas o DUNU é realmente excepcional.

      Um abraço!

  • Thiago Shinji Tsutsumi

    E aí Leonardo! Estou cogitando pegar esse Dunu DN 2000 ao invés do Sennheiser HD25 i-II.

    Vez passada eu fiquei de comprar um Audio technica ath m50x, mas resolvir pegar um superlux, só pra ter certeza que precisava de um fone de ouvido decente! E não é que gostei! kkkkk
    Aí tive oportunidade de testar o HD25 i-II e fiquei possesso pelo som! Para um leigo como eu, achei incrível escutar rock com eles!

    Como o preço dos dois são bem próximos, qual dos dois vc acha mais interessante pra escutar um blues, hard rock e metal?
    obs: não tenho preferência, seja headphone ou earphone, só queria uma verdadeira experiência de áudio pra escutar em casa, porque onde moro , não posso ligar o som ao máximo por causa dos vizinhos.

    Abç!

    • Olá, Thiago!

      Olha, comparar in-ears com headphones é muito difícil, porque são experiências diferentes. Em termos de qualidade pura e objetiva, o DUNU em minha opinião é superior (consideravelmente), mas o HD 25-1 II apresenta uma sonoridade “maior”, com mais impacto, pela própria natureza de um headphone. Ele pode acabar sendo mais envolvente. Então, acho que depende do que vc busca.

      Um abraço!

  • Luiz Alves

    Se tudo der certo daqui uns 2 meses vou poder comprar uns novos “brinquedinhos” e entrar de vez pro mundo high-end (ou pelo menos tentar ><

  • Luiz Alves

    Se tudo der certo daqui uns 2 meses vou poder comprar uns novos “brinquedinhos” e entrar de vez pro mundo high-end (ou pelo menos tentar ><

  • Diogo Lemos

    Pessoal desculpa a ignorância mas espacialidade = palco sonoro?

    • Diogo, são muito relacionados, mas pelo menos pra mim, não é exatamente a mesma coisa. Acho que palco sonoro indica mais precisão no posicionamento dos instrumentos, e espacialidade não necessariamente, entende? Um fone pode ser mais espacial mas não necessariamente ser preciso no posicionamento dos instrumentos.

      Um exemplo disso é o Sennheiser Orpheus vs. o Sennheiser HD800: o Orpheus é extremamente espacial, mas é mais difuso, o posicionamento dos instrumentos não é particularmente claro. Já o HD800 possui uma precisão cirúrgica nesse quesito, e por isso acho que seu palco sonoro é mais desenvolvido, apesar de ele, de certa forma, ser menos espacial. Mas essa é a forma como eu, pessoalmente, interpreto (e uso) esses termos.

      • Diogo Lemos

        Gostei muito das suas definições sobre os termos. Mais uma vez muito claras e precisa. Em relação ao DUNU se Deus quiser uma amiga trará pra mim dos EUA em junho, pena que eu tenha que esperar tanto rsrsrs

  • jjaguar

    Léo, assim você me coloca em maus lençois, cara!
    Venho há tempos pesquisando um upgrade a altura pro meu GR07BE, mas sem gastar muito. Olho praticamente todos os seus reviews na espera desse “fone empolgante”, mas acessível. Aí vejo sua avaliação empolgadíssima do DN2000 que custa U$ 250. Tá praticamente me obrigando a tirar a cobra do bolso, kkkkkkk.
    Brincadeiras a parte, achei um dos melhores reviews seus. Com uma empolgação que poucas vezes vi. Deu vontade de comprar esse fone, apesar de estar um puco acima das minhas metas.
    Grande abraço!!!

    • Valeu, cara! 🙂

      O pior é que em teoria eu não deveria mostrar tanta empolgação num review, que deve ser sereno e imparcial, mas nesse caso simplesmente não deu. Realmente me encantei com o fone.

      Um abraço!

  • Fernando

    Leonardo, já tinha ouvido falar muito bem desse fone. Gostaria muito de ouvi-lo, mas, pessoalmente, tomei uma decisão há algum tempo atrás de não adquirir mais nenhum fone “cable down” porque todos que possuí invariavelmente eu sempre sentia uma pressão para baixo do cabo, o que me irritava muito.
    Como você o compararia ao Earsonics Velvet que, para mim, é uma referência em fones e certamente levaria 5 estrelas na minha escala…Um abraço.

    • Fernando, te entendo perfeitamente! Também não gosto dos fones que ficam com o cabo pra baixo, mas dá pra usar o DN-2000 das duas formas sem problema nenhum – inclusive, ele vem com um gancho parecido com o do Sennheiser IE8/IE80 feitos justamente pra ele ser usado dessa forma. Foi como eu usei! 🙂

      Mas olha, em relação ao Velvet, acho o seguinte: indo de memória, ele é mais suave, tem médios mais sedosos e mais comedidos, e graves mais cheios e mais presentes. Sinceramente, apesar da enorme diferença de preço, prefiro o Dunu! Assim, se vc gosta muito do Velvet, é possível que o Dunu não se encaixe tão bem no seu gosto pessoal – mas pode ser que se encaixe, afinal eu também adorei o EarSonics. É difícil prever… o que posso dizer é que pouquíssimas vezes fiquei tão impressionado com um in-ear, principalmente um universal.

      Um abração!

  • tuan

    Nossa, deve ser demais esse fone!
    Mas vem cá, o dn-2002 é algo pra eu dar atenção, pois eu sou louco por graves?
    o 2002 tem 2 drives dinâmicos. Diferente do 2000, que só tem um.

  • Reinaldo Junior

    Obrigado pelo review Show Leo.
    Sabe dizer se diferença do DN 2000 para o 2000J e somente a Impedancia 8 e o outro 16Ω?
    Agora me ajude se possível, quero comprar um Dap Fiio 5 2ª geração e um dn-2000, neste caso ai vc acha que preciso ainda de um amplificador, tipo o fiio 17/18 ou não precisa? so seria necessário para empurrar um fone mais parudo, tipo hd650/700 etc..
    melhora para casar com o este dap seria o 2000 ou 2000J

    Desde ja obrigado Leo.

    • Olá, Reinaldo!

      São fones com assinaturas diferentes. Aparentemente, o DN2000J é mais em V. Muitos o preferem, mas pelo que leio o DN2000 continua batendo mais com o meu gosto. Pra nenhum deles há necessidade de amplificação, e nunca pense em qual fone seria melhor para um determinado DAP – e sim qual DAP seria melhor para um determinado fone. O fone é a parte mais influente da cadeia, e por isso é a que deve ser escolhida com maior cuidado.

      Um abraço!

      • Reinaldo Junior

        Obrigado pela resposta Leo. valeu

  • douglasdemacena

    Uma comparação que eu precisava de uma opinião, pode ser a sua?! Pelo quesito Nome (Marca), Preço e Qualidade tb, eu imaginava que o Shuere SE846 e o Sennheiser IE800 eram os melhores in-ears existentes, mas estou ouvindo mt bem sobre o Dunu DN-2000. Mesmo ele sendo de uma marca pouco conhecida, não é barato, mas custa menos da metade desses 2 que citei, e a qualidade ainda não sei. Então indo ao que mais interessa, a qualidade sonora do Dunu DN-2000 comparado ao Shuere SE846. Qual é o melhor? E pq? Abração!

    • Olá Douglas,

      Na realidade existem intra-auriculares superiores a todos esses, como JH Audio Layla, SpiralEar SE 5-way Ultimate, 64 Ears A12, Noble Katana e outros.

      De qualquer forma, é um pouco complicado porque houve muito tempo entre as audições dos três fones – DN-2000, SE846 e IE800. Então não é fácil fazer uma comparação muito apurada. Mas o IE800 eu já descartaria, não gosto muito dele – acho que ficou claro na avaliação que fiz. É frio, tem agudos demais, e fisicamente tem vários problemas bem chatos.

      Já o SE846 é um fone incrível, e comparado ao DN-2000 tem uma sonoridade mais neutra, com mais impacto, porém mais compacta e menos musical. O DUNU talvez não seja tão fiel assim, mas para os meus ouvidos é mais prazeroso. Independente da diferença de preço, seria minha escolha.

      Um abraço!

      • douglasdemacena

        Brigadão!

        Vlw!

  • Tyson Guioshi

    Parabéns! Este review está mais para uma aula!
    Bem, tenho um DN2000J. Sem palavras! Melhor ouvir! o único problema é o desconforto. Ele é reto e como é pesado existe a necessidade de encaixar-mos bem no canal auditivo senão ele cai. então tem que ir testando as posições com os varios acessórios que acompanham o fone até achar um conjunto confortável. Mas a qualidade sonora supera tudo! Para ficar nota 1000 deveria ter vindo com as ponteiras spinFit.

    • Olá Tyson, obrigado!

      Eu sou uma exceção porque não gosto das SpinFit… e não tive problemas com o fit do Dunu! Mas sei que essa não é a regra, né.

      Um abraço!