EarSonics Velvet

INTRODUÇÃO

velvetearsonics2-1024x520A EarSonics é uma fabricante francesa de intra-auriculares que, durante um tempo, foi protagonista da cena de IEMs universais no fórum internacional Head-fi com o modelo SM3. Lembro que fiquei muito curioso nessa época porque eu ainda estava focado em in-ears, e apesar de eu gostar muito do Shure SE530 e do Sennheiser IE8 que tinha, os relatos sobre a sonoridade eufônica do SM3 me encantavam. Com o tempo, acabei mudando o foco e a marca pareceu sair dos holofotes.

Sua linha atual, dividida entre fones para audiófilos e para músicos (não sei sob qual critério), é bastante completa e compreende desde o universal SM1, com duas armaduras balanceadas por canal, até o EM6, um intra-auricular personalizado de 6 armaduras por lado.

Há, no entanto, uma linha diferente, chamada Premium. Nela, há apenas um produto, o único da marca cujo nome não é uma série de números e letras, o Velvet. É o fone que tenho para avaliação aqui: trata-se de um intra-auricular universal, com três armaduras balanceadas e um crossover personalizável, com três modos que afetam como as armaduras operam e, consequentemente, a sonoridade final do fone. O modelo pode ser adquirido em duas cores – preto e transparente – e apesar de o preço de tabela ser 699 euros, é possível encontrar o modelo por 599 dólares.

 

ASPECTOS FÍSICOS

Observando a embalagem, o objetivo do Velvet – e da linha Premium da EarSonics – fica claro: esse não é apenas um fone para músicos ou para audiófilos, e sim um fone com um apelo mais luxuoso. A caixa é grande e bastante elaborada. Ao abrí-la, somos imediatamente agradecidos por meio de uma carta (em Francês) por escolher a marca e temos uma visão do fone e da caixa rígida para transporte, rígida e relativamente bem acabada.

Ao remover a tampa superior de EVA, é possível ter acesso a todos os acessórios, organizados em recortes específicos: 5 pares extra de ponteiras, um adaptador P2-P10, uma ferramenta de limpeza e dois lenços umedecidos, um pequeno cartão explicando as três posições do botão que regula o crossover e uma chave de fenda que faz a regulagem.

IMG_7550O fone em si foge um pouco desse apelo, já que ainda apresenta a estética de um fone voltado para o mercado profissional. O cabo é o tradicional dos monitores personalizados (inclusive usando o conector removível de dois pinos) e o corpo do Velvet em si é feito em plástico e deixa todos os seus componentes à mostra. Em termos de luxo, certamente não estamos falando de um AKG K3003i ou até mesmo de algo como um RHA 750i ou um Ortofon e-Q8.

Quanto ao conforto, se não tenho problemas sérios, também não acho que ele seja um exemplo. Tanto o Xtreme Ears Xtreme ONE quanto o HiFiMAN RE-400 são mais confortáveis para os meus ouvidos. Ele possui um gancho e foi desenhado para ser usado apenas com o cabo por cima das orelhas.

Há, no entanto, um problema grave no Velvet: o botão giratório que controla o crossover é muito semelhante ao de controle de graves do JH Audio Roxanne, mas fica posicionado na parte externa do corpo do fone. O problema é que a peça é frágil, e não são raros relatos de usuários que acabaram espanando o botão com a ferramenta de ajuste. Esse problema ocorreu com a unidade que está comigo, e por isso no lado esquerdo basicamente não tenho mais como alterar entre os modos do fone. Com muito cuidado até consigo, mas é extremamente arriscado e tenho medo de chegar a um momento em que a fenda do botão será totalmente erodida e ele não terá mais como ser girado.

 

O SOM

Comecei minhas audições no modo equilibrado, e de início, o que posso dizer é que o Velvet é totalmente diferente de todos os intra-auriculares que já ouvi. A questão é que ele é extremamente espacial, mas de um jeito um tanto inusitado. O JH Audio Roxanne, por exemplo, consegue ser muito espacial por que sua sonoridade parece literalmente grande e expansiva – no Velvet, é como se houvesse um espaço menor mas a noção de distância é muito evidente. O curioso é que parece que isso é atingido por meio de um efeito deliberado, e não algo exatamente natural.

IMG_7547A melhor forma de explicar é a seguinte: sabe quando vemos alguma boa gravação de um sistema de som high-end tocando? Como essa, por exemplo. Ouvimos não só o conteúdo da gravação em si, mas também (além das colorações introduzidas pelos equipamentos de reprodução e pelo microfone, apesar de elas serem reduzidas se os equipamentos forem de alta qualidade, como é o caso) a interação dela com a acústica da sala. O Velvet parece introduzir o som de uma sala em todas as gravações, de certa forma. É como se houvesse um leve filtro que adiciona uma camada extra de espacialidade – ou seja, não é um palco sonoro dos mais precisos ou fidedignos, mas é bastante expansivo e pode ser bem prazeroso.

Em termos de tonalidade, o Velvet possui os médios mais para a frente, independente da posição do botão de ajuste do crossover, porém em diferentes níveis. De toda forma, sua assinatura me parece mais eufônica e, em termos, o que ouço aqui me lembra um pouco o Audio-Technica W3000ANV: ou seja, não estou ouvindo uma resposta exatamente linear, mas sim uma sonoridade que parece ser finamente talhada para uma sonoridade específica.

Os graves, na posição 1 (o que a marca chama de Tight Sound, com graves reduzidos em relação aos médios e agudos), são o que eu consideraria neutro em termos em quantidade. Porém, tanto na posição 2 (Balanced Sound) quanto na 3 (Warm Sound, com graves mais fortes) eles vão além do que considero neutro, mas é interessante observar que parece haver um incremento justamente na área que traz a sensação de graves gordos, melodiosos e com peso e autoridade. Eles são se tornam menos onipresentes e lineares do que no JH Audio Roxanne por exemplo, mas ao mesmo tempo parecem ter mais substância e definição. A comparação com o Xtreme Ears Xtreme ONE é parecida. É como se, nesses dois, houvesse uma resposta razoavelmente reta dos graves até os médios, mas no Velvet há um incremento numa área específica dos graves, mais baixa, conferindo essa sensação de graves com bastante massa e peso (mas que de forma alguma se sobrepõem ao resto das frequências), seguido por um pequeno vale e, depois, mais um incremento na região média, na área das vozes.

Gosto muito do desempenho desse EarSonics nas baixas frequências, qualquer que seja a posição do botão de ajuste do crossover. Independente da quantidade, eles sempre apresentam uma personalidade bastante agradável, pesada porém melodiosa e, por mais que a quantidade varie consideravelmente, curiosamente eles parecem sempre apropriados – apresentam, apenas, sabores diferentes e mais ou menos interessantes para diferentes momentos.

IMG_7545Quanto aos médios, novamente tenho muitos elogios: eles são extremamente abertos e transparentes. Como parece haver um pequeno incremento em alguma região específica – mas certamente nada no nível do que ouvi no Fidue A83 –, não acho que essa região soe exatamente natural em termos timbrísticos (as vozes poderiam ter um pouco mais de calor e corpo, mais íntimas e um pouco menos distantes), mas ela é certamente muito viva e envolvente. Além disso, a capacidade de detalhamento do Velvet é excelente – acho que o colocaria no nível de muitos dos bons intra-auriculares personalizados. Violões, em particular, soam excepcionais nesse EarSonics. O ônus é que há uma granulação um pouco evidente nessa região, mas não é algo que me atrapalhe muito.

Na posição 1 do crossover os médios são mais proeminentes, e acho que o resultado é mais interessante para gêneros acústicos que dependem quase que inteiramente dos médios, visto que em outros cenários o resultado pode ser um pouco agressivo para o meu gosto. Rock, por exemplo, pode ser um problema.

Porém, basta passar para a posição 2 que os médios e os agudos se acalmam em relação aos graves, o que pode tornar o resultado ligeiramente menos transparente porém mais eufônico e que parece, no final das contas, de fato mais balanceado e mais apropriado para gêneros mais diversos. É dessa forma, aliás, que o Velvet deixa suas habilidades espaciais mais claras.

No entanto, é na posição 3 que esse in-ear mais me agrada. Ao contrário do que a descrição pode nos fazer acreditar, esse é o modo no qual o fone é, ao menos para os meus parâmetros, mais equilibrado. Os médios ainda são relativamente para a frente, mas consideravelmente mais melodiosos. Mais uma pequena parte da transparência do Velvet é deixada para trás, mas em minha opinião, por uma boa causa. E não me entendam mal; ele continua sendo um fone extremamente detalhado – muito mais do que todos os outros intra-auriculares que tenho à minha disposição no momento (Xtreme Ears Xtreme ONE, Ortofon e-Q8, In-Ear StageDiver 1, HiFiMAN RE-400), com exceção do JH Audio Roxanne, com o qual ele consegue uma boa briga nesse quesito.

Nos agudos, praticamente não tenho nada além de elogios: acho que essa é a região que menos sofre alterações nos três modos do Velvet, e eles parecem estar sempre presentes na medida que julgo correta – sempre soando como uma orgânica extensão dos médios. Apesar de a extensão não ser a melhor que já ouvi, em termos de timbre (o mais difícil) não tenho qualquer crítica. Pratos de bateria são excepcionalmente bem apresentados quando a gravação permite.

 

CONCLUSÕES

IMG_7552Não há motivo para rodeios: adorei o Velvet. Apesar de achar que ele se dá melhor com estilos mais calmos, não há nenhum gênero no qual ele seja deficiente; esse IEM manteve a compostura com qualquer coisa a que foi apresentado.

Se com o botão de ajuste do crossover na posição 1 ou 2 ele possa ser um pouquinho empolgado demais na região média, minhas reações sempre variavam de intrigado (pela sua espacialidade peculiar) a boquiaberto com o que ouvi no Velvet. Boas gravações de jazz, como as da Esperanza Spalding, da Melody Gardot ou da Diana Krall são simplesmente espetaculares nesse in-ear e, em várias delas, confesso que prefiro o EarSonics ao meu JH Audio Roxanne.

Encontrei nele uma visão refrescantemente diferente de como um intra-auricular pode soar. É um belíssimo fone que fico feliz em poder recomendar.

 

EarSonics Velvet – € 699,00

  • Três armaduras balanceadas gerenciadas por um crossover de três vias variável
  • Sensibilidade (1 mW): 116 dB SPL/V
  • Impedância (1kHz): entre 31,5 e 41,5 ohms (dependendo da posição do controle)
  • Resposta de Frequências: 10 – 20,000 Hz

 

Equipamentos Associados:

Portátil: FiiO X5 + HeadAmp Pico Slim, Ortofon MHd-Q7, iPod Classic, Sony Xperia Z2 e Xperia Z3

Mesa: Mac Pro, Geek Out 450, Yulong D100, HeadAmp GS-X

22 Comments
0
  • Luiz Bana

    Ótima review, Leonardo.
    Fiquei muito curioso para ouvir o fone (como sempre acontece ao ler suas impressões). Quem sabe agora não me decido. A dúvida entre ele e um custom é forte! haha

    • Obrigado, Luiz! Acho que o Velvet realmente merece sua consideração. É um belíssimo fone.

      Um abraço!

      • Luiz Bana

        Leonardo, com todas as fontes que você testou o Velvet, qual se saiu melhor? O brinquedo chega essa semana e já estou pensando nas fontes que estarei testando! haha

        Um abraço

        • Opa, que bom, Luiz! Olha, como ele é um fone mais aberto, acho que se beneficia de um sistema mais melodioso. Gostei mais dele quando ligado diretamente ao Yulong D100, ao iPod Classic e ao meu celular, um Xperia Z3.

          Um abraço!

  • Ariel Sampaio

    Parabens Leonardo, otimo review. Abraço.

  • Fernando

    Excelente review, Leonardo. Eu conheço esse IEM e posso afirmar que, dentre os muitos que já ouvi, é um dos mais prazerosos (senão o mais). O grave que ele produz realmente é digno de nota, limpo e profundo, difícil encontrar essa qualidade. Os agudos são na medida certa (nem muito nem pouco). É comparável a fones muito mais caros. O ponto negativo é quanto a robustez que poderia ser melhorada; na verdade, apesar de ser muito bonito, é inferior em qualidade de construção ao S-EM6.

    • Opa, muito obrigado, Fernando!

      Pois é, eu fiquei realmente impressionado com ele, é um fone que adoraria ter em minha coleção. Vc já chegou a ouvir o S-EM6? Como os dois se comparam?

      Um abraço!

      • Fernando

        Leonardo,

        Eu já tive um S-EM6. Ele é muito centrado nos médios e com redução acentuada dos agudos, o que me incomodava e sempre tentava compensar essa ausência na equalização. Mas tem melhor resolução, textura e soundstage; os graves, apesar de presentes, tem menos impacto que os do Velvet.
        De maneira geral, embora eu consiga reconhecer a assinatura da Earsonics em ambos, o Velvet é mais bem resolvido e agradável, mas confesso que sinto saudades dos médios do S-EM6.

        Abs.

  • Maacx3

    Olá Leonardo,

    Primeira vez aqui… excelentes matérias, parabéns.

    Gostaria de tirar umas dúvidas com você, eu atualmente uso um Genius Cavimanus 7.1, e depois de um bom tempo ele começou a apresentar uns problemas (microfone e mal contato no controlador de volume). Hoje estou querendo mudar… Não entendo muito sobre a parte técnica, a única coisa que eu exijo para um fone é a qualidade do áudio ser boa e um bom volume. Qual o modelo de fone você me recomendaria ? Numa faixa de preço até uns 300,00.

    Agradeço desde já.

    • Olá Maacx3, obrigado!

      Nessa faixa de preço vc tem algumas boas opções, mas acho que uma das melhores é o Superlux HD681. Se vc esticar um pouquinho o orçamento, puder esperar e não se incomodar em comprar um usado, dá pra tentar um Audio-Technica M50. Eles aparecem com alguma regularidade nos Classificados do HTForum, nos do nosso fórum e no grupo de Facebook Compra e Venda de Fones de Ouvido e Acessórios High End. É um belíssimo fone.

      Um abraço!

  • José Roberto P S

    Olá Leonardo!

    Parabéns pelo site, está excelente!

    Poderia me dar uma indicação de fone in-ear por volta de R$100,00?

    Me interessei pelo Xiaomi Mi Silver que você comentou, mas aparentemente ele ainda não está disponível no Brasil – aliás, ele é o mesmo que o “Piston” que encontrei em sites estrangeiros? Tem gente vendendo no Mercado Livre por R$50,00, provavelmente réplica, e por R$200,00.

    • Olá José, muito obrigado!

      Pessoalmente nunca ouvi o Xiaomi, mas leio opiniões muito positivas. Não sei te dizer se é exatamente o mesmo fone que o Piston, mas acho que os fones da marca são uma boa opção. Mas vc também pode considerar o AKG K321, que é bem competente.

      Um abraço!

  • Winicius

    Prezado Leonardo, inicialmente, parabenizo-lhe pelos excelentes reviews e por ser tão solícito e comprometido com a administração e atualização deste site. Superado o breve relato, pergunto-lhe se há alguma viabilidade de você redigir uma sucinta análise comparativa entre o earsonics velvet e o trio unique melody merlin, miracle e mentor? Há também como tecer alguma consideração entre ele e o JH Audio JH5 e/ou Logitech Ultimate Ears UE900s caso você já tenha testado estes fones? As minhas perguntas justificam-se porque recentemente perdi o meu earsonics sm3. Diante disto, possivelmente aguardarei até a black friday para comprar um substituto equivalente ou melhor no brasil ou exterior, a depender das ofertas e cotação do dólar. Obrigado pela atenção.

    • Olá Winicius, muito obrigado!

      Faz algum tempo desde que escutei os UM e não pude compará-los diretamente ao Velvet, mas de memória, acho que este último é menos linear porém mais musical. Tem mais graves e mais médios principalmente, mas ainda apresenta uma quantidade muito saudável de agudos. Os UM são relativamente parecidos quando comparados ao EarSonics, e são mais leves e arejados, porém menos espaciais.

      O JH5, pelo que me lembro, é ainda mais distante e apresenta uma personalidade ligeiramente mais fechada, com impacto e de certa forma mais melodiosa, mas perdendo para todos os outros em detalhamento e arejamento. Em compensação, talvez seja o mais adequado para um grande número de estilos musicais, com exceção do Mentor.

      Quanto ao UE900, infelizmente nunca pude ouvir.

      Mas acho que todos são ótimos fones! Se vc quiser algo mais próximo da sonoridade do SM3, pelo que leio acredito que o Velvet é o que mais tem chance de te satisfazer, seguido pelo JH5 e, depois, Mentor, Merlin e Miracle, em ordem.

      Um abraço!

      • Winicius

        Meus caros, obrigado pelos esclarecimentos, solicitude e celeridade nas respostas! Fico muito feliz por saber que os usuários e conteúdo da saudosa comunidade “fones high-end” do orkut continuam aqui e no htforum, onde foi possível encontrar ótimos depoimentos sobre os referidos fones de ouvido, como o do Vitor, por exemplo. No momento, eu estou pesquisando e fazendo orçamentos, mas adianto que, em breve, comprarei fone(s) novo(s) ou usado(s) no brasil ou exterior, a depender das ofertas encontradas e da improvável queda ou estabilidade da atual cotação do dólar. Dito isso, faço apenas uma última pergunta a título informacional: Leonardo, considerando todas as suas impressões, qual fone, para você, apresenta melhor custo-benefício: JH5 por $ 399, velvet por $ 699 ou mentor ainda mais caro? Pergunto só por curiosidade, pois sinceramente, apesar de também pensar que o velvet é o que tem maior chance de me satisfazer em termos de áudio, penso que, hoje, diante das circunstâncias, eu só teria coragem e condições de comprar o JH5 ou, no máximo, o velvet num ato de loucura kkkk, pois o valor atual do mentor é inviável para a minha realidade. A propósito, comento que, no ano passado, acompanhei as ótimas promoções da unique melody brasil assim como a oferta de 20% para o JH5 e, apesar de ter cogitado seriamente comprar um custom com a cotação da época, infelizmente adiei a compra por pensar que nada aconteceria com o meu querido segundo earsonics sm3 com cabos removíveis (gostei tanto da marca que, após perder definitivamente o earsonics v1 por mal contato seguido curto-circuito, comprei outro usado com cabos removíveis numa ótima oferta de um user do fórum headfi). Obrigado!

        • Winicius, estou seriamente tentado a te recomendar o JH5 por saber que se trata de um fone fantástico e muito musical. Realmente acho que ele vai se encaixar no seu gosto.

          Entretanto, fico com receios pelo fato de ele ser um fone custom… por isso, se vc por acaso acabar não gostando dele, vai ter dificuldade na revenda. Isso é um problema, apesar de eu achar que ele merece sua aposta – quanto mais tendo em vista o preço.

          Mas acho que é de se pensar! Talvez valha a pena o risco.

        • Vitor

          Winicius, se realmente se interessou em comprar o JH5, eu fiz um review dele no forum Mind the Headphone e tambem fiz um tópico sobre como foi a experiência de comprar o JH5 (processo de fazer o molde, a compra, o envio, etc. Alem disso, a JH5 esta com promoções agora por causa da reforma geral que estão fazendo na empresa agora, você pode ve-la aqui: http://www.jhaudio.com/jh-crew

    • Vitor

      Olá Winicius,

      Sou dono de um JH5 e cheguei a experimentar as versões demo do trio da Unique Melody citado. Caso queira dar uma olhada… Seria uma opinião a mais. Não cheguei a ouvir o UE 900 também…

  • Sidney “brujo”

    Excelente análise, Leonardo. Há alguma opção de fones com uma estrutura física similar a estes Earsonics e que tenham essa espacialidade que tanto mencionou em sua análise por – digamos – 150 dólares? Caso o valor esteja muito fora de realidade, qual seria sua recomendação com custo mais baixo e que tenha as citadas características?

    • Olha, Sidney… infelizmente nunca escutei algo com uma espacialidade parecida com a do Velvet – não tanto pela “qualidade” dela, mas pelo tipo mesmo. É uma sensação muito diferente.

      Mas um outro fone com uma sonoridade bem aberta e espacial, impressionante pelo preço, é o Dunu DN-2000. É mais barato, mas ainda assim custa lá pros US$250… agora, de repente vc consegue um usado nos Classificados do Head-fi pelo teu orçamento. Eu não posso recomendar o DN-2000 o suficiente – é o in-ear que uso, e sinceramente, não vejo motivo pra fazer um upgrade.