Audio Technica ATH-A700X

Não é só do M50 que vive a Audio Technica. A marca conta com uma linha bem extensa de fones, mas é curioso notar que os fones mais sofisticados são os circunaurais da linha W: todos fechados. Isso me faz crer que esse tipo de fone é onde a fabricante coloca suas fichas. Por isso, fiquei curioso ao receber o AH-A700X para avaliação. É um dos fones fechados mais simples da marca, e está aproximadamente na mesma faixa de preço do M50, custando 130 dólares.

Tem, no entanto, objetivos bem diferentes. Enquanto o M50 tem em vista o estúdio, o A700X é da linha AIR, que mira em audiófilos que buscam uma sonoridade mais musical, leve e arejada.

 

ASPECTOS FÍSICOS

D3S_7996-1200Uma das características mais marcantes da Audio Technica é, nos circunaurais voltados ao mercado audiófilo, o headband diferente. Bem, a ausência dele na verdade. O que ele tem são dois pads suspensos por elásticos, um em cada lado. Achei uma solução confortável, mas a impressão é que o fone nunca está perfeitamente seguro na cabeça. Os pads normais, laterais, são revestidos de courino na parte que toca as orelhas, mas a parte do encaixe é de pleather, aquele material sintético bem fino que, com o tempo sai facilmente (meu Sony SA5000 que o diga), expondo o tecido embaixo. É um problema estético, mas ainda assim relevante.

O fone é feito inteiramente de plástico, e muito leve, o que é muito bom em termos de conforto. Entretanto, apesar de bem construído e acabado, ele não tem nem a robustez e nem o isolamento do M50 – o que não quer dizer que é ruim. Afinal, trata-se ainda de um fone fechado.

O cabo, terminado em P2 (ele não pede mais que um iPod), é revestido de tecido e aparenta ser de boa qualidade, mas não é removível e é muito longo. Isso é interessante se o ouvinte estiver longe do sistema, mas se esse não for o caso – como aqui –, acaba sendo um inconveniente.

 

O SOM

A primeira impressão que tive é e que esse é, de fato, um fone com uma sonoridade realmente aberta e arejada, o que é extremamente incomum num circunaural fechado.

A começar pelos graves: sinceramente, estou muito impressionado com eles. Cheguei a ler na internet que o A700X é anêmico nesse departamento, mas devo discordar. É claro que ele não possui a força de fones como o M50 ou o HE500 – ao invés disso, ele parte para uma apresentação mais leve e balanceada, mas com graves bem presentes e mais do que satisfatórios. A grande questão é que há um incremento nos graves reais, e não nos médio-graves. O resultado é uma maior definição na região, sem tanto impacto mas com muita qualidade e competência

Eles são excepcionalmente macios, apesar de apresentarem excelente textura. Esse é um truque muito difícil – graves macios e doces mas definidos. Nesse aspecto, ele me lembra muito o Sony EX1000. Não gosto muito de usar essa expressão, mas aqui ela é muito adequada: os graves do A700X são na medida. Não são feitos para excitar – o objetivo é complementar a música estando no seu devido lugar.

Os médios também são muito satisfatórios, e notavelmente transparentes para um fone nessa faixa de preço. Essa transparência vem junto a um arejamento muito impressionante. Há uma grande leveza na apresentação do A700X, fruto de uma espacialidade e ambiência consideráveis. Em gêneros calmos, há um palco sonoro bem considerável.

Os problemas aparecem quando passamos para músicas mais complexas ou pesadas. Como basicamente todos os fones que avaliei recentemente, o A700X sofre de uma forte característica anasalada nos médios (mais do que em muitos outros fones fechados que já ouvi), mas isso só se torna evidente quando pedimos para ele tocar muitos instrumentos de uma vez. Parece que o espaço literalmente é comprimido, e há aquela sensação de concha no som… é curioso que ele tenha duas personalidades tão distintas, mas é o que acontece com gêneros muito distintos.

DSCN1145Além disso, em rock e metal os médios parecem muito para a frente, e a apresentação torna-se mais agressiva. Os agudos sofrem do mesmo problema. Eles são ótimos, com boa presença e timbre satisfatório, mas há um pico bem definido que pode ser excessivo e incomodar em muitas situações. Acho que eles são boa parte do motivo para que o A700X soe tão arejado e aberto em músicas mais calmas, mas há um preço a se pagar quando cansamos de Carla Bruni e colocamos Porcupine Tree. Não é que a performance seja ruim – ela só não é muito apropriada, e em casos extremos pode incomodar.

Me lembra o Sony SA5000, um fone excepcionalmente chato que só é agradável em algumas condições. O Audio Technica não chega a ser tão seletivo, e é mais quente que o Sony, mas em compensação não chega perto de um M50 para ouvir rock, pop, música eletrônica ou gêneros mais comuns.

 

CONCLUSÕES

O Autio Technica AH-A700X não é exatamente um coringa, mas em compensação não acho que ele se proponha a ser. Acredito que nessa faixa de preço, com raras exceções, sempre teremos um compromisso, e não é possível ter tudo.

Por isso, acredito que ele cumpra seu objetivo incrivelmente bem. Os graves são exemplares, e os médios e agudos apresentam espacialidade, transparência e detalhamento invejáveis nessa faixa de preço. Esse é um fone que possui uma apresentação decididamente leve, muito adequada para gêneros acústicos, folk, jazz ou música clássica. Ele possui a ambiência necessária, com um toque de doçura proporcionado pelos graves que cria uma sonoridade muito agradável para esses estilos.

O A700X começa a perder compostura quando exigimos mais dele em gêneros mais complexos e frenéticos, mas se o objetivo é ouvir Sufjan Stevens, Joanna Newsom, Diana Krall com um Radiohead ocasional, acredito sinceramente que o resultado é um dos melhores que já pude ouvir perto dessa faixa de preço.

Esse Audio-Technica detém uma personalidade eufônica muito agradável e interessante, que aliada a um bom conforto e versatilidade, faz do A700X um belíssimo fone.

 

Audio Technica ATH-A700X – US$130,00

  • Driver dinâmico único
  • Impedância (1kHz): 38 ohms
  • Sensibilidade (1kHz): 100 dB/1mW
  • Resposta de Frequências: 5Hz – 35kHz

 

Equipamentos Associados:

Portáteis: iPod Classic

Mesa: iMac, MacBook Pro, Abrahamsen V6.0, Cambridge Audio DacMagic, HeadAmp GS-X

4 Comments
0
  • Claudia

    Leo, este foi um dos meus primeiros fones, indicação sem compromisso do Luis Flugge como excelente custo X benefício.
    Bjs

    • mindtheheadphone

      Nunca havia escutado um Claudia, mas hoje assino embaixo da indicação! Acho, de fato, que é um belíssimo fone pelo preço!
      Beijos!

  • Bruno

    Poderia solicitar um review do Sennheiser HD598?

    • mindtheheadphone

      Bruno, adoraria, mas dependo de empréstimos, e não conheço ninguém que tenha um que possa me emprestar!