Últimas Notícias e Alguns Mini-Reviews

Sony MDR-R10

Não sei o quão interessante é um post desse tipo para o leitor, mas vá lá… algumas coisas interessantes têm acontecido aqui em casa com relação a equipamentos de áudio, e vou explicar toda a situação nesse post. Vou me abrir com você, leitor, que vai ter um pouco mais de noção do que se passa na minha cabeça com relação às minhas preferências e meus conceitos nesse hobby.

Mas, antes de tudo, vou dizer que vamos ter duas avaliações interessantes vindo por aí! Não sei ainda qual vai ser a ordem, mas vou avaliar o Bowers & Wilkins Zeppelin e fazer um comparativo entre os dois players high-end mais famosos atualmente: HiFiMAN HM-801 e iBasso DX100.

Fora isso, vou explicar minha situação com os fones no momento, aproveitando para descrever brevemente alguns que passaram por aqui nesses últimos tempos mas dos quais não tive tempo para escrever uma avaliação. Tive durante um bom tempo três fones principais: Stax SR-007 MKI, AKG K1000 e JH13Pro. O Stax era usado com o eXStatA, o K1000 com o Meier Audio Eartube e o JH13Pro com o iPod Classic. O DAC sempre foi o Cambridge Audio DacMagic, bom e honesto pelo que custa, e o transporte um iMac.

Eu tinha um dinheiro guardado e percebi que, se vendesse um dos meus dois contrabaixos, conseguiria realizar um sonho e comprar o lendário Sony R10. Então coloquei meu baixo à venda e resolvi esperar. Após muito tempo de espera, vi que vários R10s apareceram no mercado, o que não é comum (só foram fabricados 2 mil), e eu estava perdendo oportunidades. Resolvi então vender meu Stax, com a intenção de usar esse dinheiro para comprar o Sony e manter o baixo à venda – quando eu o vendesse, compraria um SR-007 MKI novamente, a menos que o R10 me fizesse mudar de ideia.

Stax SR-009

Em pouco tempo vendi o Stax, e então só teria que esperar algum R10 aparecer. O problema é que, no meio do caminho, me convenceram a desistir dele: ele é antigo e seus diafragmas são de biocelulose, e não foram feitos para durar mais de 20 anos (as últimas unidades desse fone foram produzidas em 2001 se não me engano). Para completar, a Sony não oferece suporte ou peças de reposição! Ou seja, se eu tivesse qualquer problema com ele, estaria com um peso de papel de mais de 6 mil dólares. E assim eu desisti do Sony, e resolvi correr atrás de um Stax SR-009, que de acordo com alguns audiófilos consegue ser melhor que o Sennheiser Orpheus. Compraria junto com ele um amplificador como o Stax SRM-727II, que se encaixa dentro do meu orçamento.

O problema é que nesse momento apareceu uma bela oportunidade de negócio que não tive como perder, e então coloquei o dinheiro que tinha guardado nela, para ver de volta somente no final do ano. Mas meu baixo ainda estava à venda! Então aceitei a proposta de um amigo e o troquei por alguns equipamentos: Sennheiser HD600, Beyerdynamic DT880 Premium, Grado SR225i, AKG K271 MKII, Klipsch X10i e HiFiMAN HM-801. Aqui vão algumas breves descrições:

  • Sennheiser HD600

    Sennheiser HD600: fone fantástico, relaxado, intimista e com um dos melhores equilíbrios tonais que já ouvi num fone. Se adequa a qualquer estilo com maestria, mas não é um exemplo em transparência. Graves com bom peso e impacto apesar de a extensão não ser fantástica, médios excelentes e um dos melhores agudos que já ouvi num fone devido ao excelente timbre e corpo e ausência de regiões de pico significativas. Só eram um pouco ríspidos de vez em quando. Muito bem construído, resistente e confortável.

  • Beyerdynamic DT889

    Beyerdynamic DT880 Premium: não gostei. Graves sem a definição e peso dos do HD600, ocos, médios tranquilos mas velados e agudos realmente perfurantes, com um pico que fazia alguns estilos musicais causarem dor nos meus ouvidos. Era curioso tanta vontade nos agudos e médios velados andarem juntos… definitivamente não é um fone para mim. Mas é muito confortável e incrivelmente bem construído (bem mais que o HD600/650 e AKG K701/702).

  • Grado SR225i

    Grado SR225i: tradicional sonoridade da casa, com médios bem para a frente. Não sou muito fã dele na maioria dos casos, mas para rock clássico (à la Robin Trower e Jimi Hendrix) é o que há: energético, graves com bom peso e impacto, médios muito transparentes e agudos surpreendentemente definidos e calmos. Mas pode soar estranho com muita coisa, é muito desconfortável, não isola absolutamente nada e não é um exemplo de construção. Para completar, é muito feio. Resumindo, só compre se você só ouvir rock da década de 60 e 70.

  • Klipsch X10i

    Klipsch X10i: muito legal! Só não é o menor fone que já vi porque já vi um Jays qJays. Tem uma sonoridade típica de um BA único, mas ele consegue ir um pouco além e resolver alguns problemas que fones desse tipo têm. Ou seja, tem uma extensão razoável nos dois extremos, os médios não são tão granulados como é de se esperar e os graves têm bom impacto. Para praticar esportes, não vou ficar surpreso se for o melhor fone do mercado.

E agora voltando ao assunto. Meu objetivo seria testar esses fones e revendê-los, e com o dinheiro das vendas, comprar outros equipamentos para testar e depois revender. Ou seja, o dinheiro para o Stax está aplicado, e enquanto isso, com o valor do baixo, resolvi fazer essa experiência de testar vários equipamentos, com o objetivo de achar algum bom fone mais simples que o SR-009, para audições mais despreocupadas. Afinal, o mercado aqui no Brasil é aberto e eu não teria muitas dificuldades em vender o que comprar. E então vendi todos (bem, só falta o Grado) e consegui comprar um Sennheiser HD800, um iBasso DX100 e um DAC Electrocompaniet ECD-1. O HD800 já foi vendido e esqueci de fazer uma avaliação (eu sei… me arrependo profundamente, fico devendo essa), o DX100 vai ser comparado ao HM-801 e um dos dois vai embora, e o DAC foi comprado para substituir o DacMagic mas acabei decidindo por revendê-lo porque prefiro usar o dinheiro para outras coisas no momento. Quando eu estiver com o 009, penso num upgrade definitivo de fonte. Além disso, esse é o DAC que temos no sistema de caixas da sala aqui de casa, então sei bem como ele toca.

  • Sennheiser HD800

    Sennheiser HD800: sendo brutalmente sincero, não gostei muito. Tecnicamente impressionante, mas para mim, não encantou. Ele soa muito flat, mas com os graves sem pegada e peso aparente perante a presença dos médios e agudos. O detalhamento é incrível, parece chegar perto dos eletrostáticos, mas ao mesmo tempo ele não mostra qualquer agressividade – curiosamente os médios são até de certa forma aveludados. Os agudos têm uma extensão absurda e não passam do ponto, um medo que tinha. Espacialidade também é de cair o queixo. Mas o grande problema dele pra mim foi a falta de graves, que o deixou sem “vontade”, sem peso. É um daqueles fones que me fez pensar “nossa, é muito bom”, mas não me despertou vontade nenhuma de tê-lo. Me deixou frio, não me envolveu. E por isso foi embora.

  • Electrocompaniet ECD-1

    Electrocompaniet ECD-1 vs. DacMagic: vou ser um verdadeiro herege e dizer que, comparado diretamente ao DacMagic, não consegui dizer que um é melhor que outro. Apenas que são diferentes, o ECD-1 muito mais analógico, mais 3D mas em compensação mais velado. O DacMagic tem mais vigor e energia, mais presença nos médio-agudos e agudos. Também me apresentou mais peso nos graves. Acho que se eu tivesse que escolher entre um e outro, essa escolha seria dependente do resto do sistema. Para o HD600 e Stax SR-007, que são mais relaxados, fico com o DacMagic. Mas, com o Orpheus e provavelmente com o 009, devo preferir o ECD-1.

Eu poderia eleger o HD600 como o fone que estava procurando: relativamente simples, é ligar e ouvir sem ter que me preocupar. O problema é que o HD800, apesar de não ter me encantado, me mostrou muitas falhas nos médios do HD600, e acabou me deixando muito menos satisfeito com ele. Foi aí que dois amigos meus compraram um Ultrasone Edition 8 e ficaram encantados. Talvez ele fosse o que eu estava buscando. Mas, quando ouvi, vi que ainda não era ele. Ah, e o Hugo, um desses dois amigos, também me emprestou seu Beyerdynamic DT1350 por um tempinho.

  • Ultrasone Edition 8fone realmente excelente… mas não me encantou.

    Ultrasone Edition 8

    Tecnicamente também é ótimo, tem muito mais vida que o HD800, mas em comparação a ele é também muito mais claustrofóbico (a tecnologia S-Logic da marca é boa, mas não consegue me fazer esquecer que estou usando um portátil fechado) e mais agressivo. Isso pode ser bem vindo em muitos casos, mas não é o que estou procurando. Ele também é muito dependente do fit, sem ele os graves não aparecem, e por alguma razão tive dificuldade de conseguir um selamento total do lado esquerdo. Resumindo, muito surpreendente para um portátil, realmente incrível, mas não se encaixa no que busco no momento. Ah! Um adendo, é um dos fones mais bonitos e luxuosos que já vi.

  • Beyerdynamic DT1350

    Beyerdynamic DT1350: desse eu gostei, é ótimo. Qualidade de construção ímpar (como o habitual da marca), agudos comportados (diferente do habitual da marca), médios ótimos, se um pouco ocos e graves cheios, mas com problemas consideráveis em definição. Acho que são gordos de propósito, já que para o uso fora de casa graves um pouco mais felizes são bem-vindos, mas chegou a me incomodar ouvir a Ljudet Innan do Storm Corrosion e o bumbo da bateria estar perdido. Mas não deixa de ser um fone fantástico, certamente um que teria sem pensar duas vezes. Ah, e o isolamento é de cair o queixo, definitivamente não é o que se espera de um fone com cups tão pequenas.

Nesse momento, comecei a pensar seriamente sobre o que estou buscando em termos de sonoridade, já que achei estranho não ter me encantado nem com o HD800 nem com o Edition 8… o problema é que tenho preferido uma apresentação mais eufônica, suave e calorosa, algo que nenhum deles foi capaz de me proporcionar. O HD600 até conseguiu, mas é um fone inferior com algumas falhas notáveis. No fundo, acho que o que procuro é exatamente o que o Stax SR-007 MKI me entregava. Acho perfeitamente possível que ele seja meu fone definitivo. Talvez o SR-009 mude isso, por isso pretendo comprá-lo, mas caso eu me decepcione, vou vendê-lo e correr atrás de um SR-007 novamente e, provavelmente, encerrar minha jornada – como não posso ter um Orpheus…

Grado HP1000

E o que vem agora? Bom, ainda quero fazer alguns testes enquanto não compro o SR-009, e pretendo vender o ECD-1 – que já foi anunciado – e um dos dois players. Existem poucos fones que me interessam para teste hoje, fora os lendários como Sony R10 e Qualia, Audio Technica L3000 e Stax SR-Omega. Como não posso comprar nenhum deles no momento, fico restrito aos atuais, ou seja, os dinâmicos e ortodinâmicos top: Audez’e LCD2 e LCD3, Beyerdynamic T1 e HiFiMAN HE6. Já ouvi o LCD2 e não gostei muito, também já ouvi o Beyer e achei legal mas nada impressionante e os HiFiMAN… bom, simplesmente não me interessam, não sei por quê. Tenho interesse nos Audio Technica, mas andei lendo sobre um fone que me despertou interesse: o Grado HP1000.

Sei que isso vai contra boa parte do que escrevi sobre o que procuro, mas quando recentemente ouvi Bridge of Sighs do Robin Trower no SR225i, entendi os Grados. É fenomenal, e como tenho ouvido bastante esse estilo, vale a pena tentar o HP1000. Para quem não sabe, ele é um dos fones no grupo dos all-time greats, e junto com o AKG K1000 e Stax SR-007 MKI o mais acessível. Por isso, acho que vale a tentativa.

É isso! Sei que esse post foi bem diferente, e espero que tenha sido interessante!

99 Comments
0
  • Bacana o post Leo!

    Tomara que surja uma boa oportunidade para você testar/ter o HP1000! Absss

  • Bacana o post Leo!

    Tomara que surja uma boa oportunidade para você testar/ter o HP1000! Absss

  • Leo, gostei muito de ler seu texto!! Bacana essa sua jornada! =)
    Pode parecer estranho, mas nunca estive tão feliz com o set que estou no momento ( DAC: MusicStreamer ll+ , AMP: Schiit Asgard e Fone: Beyer DT990 PRO 250 Ohms ). Não basta o fone ser o mais técnico, e sim o conjunto final que possui o som que você procura e que mais te agrada, independente do preço e fama by Head-fi =P o DT 990 PRO 250 Ohms custa menos de $200 e nem é tão bem falado assim, mas é o fone que me faz feliz!

    Abraços,
    Rodrigo

    • Rodrigo, é exatamente isso… acho que esse texto, junto com o meu sobre neutralidade, consegue explicar bem o modo com que vejo o áudio hoje em dia. É tudo uma questão de gosto, neutralidade pura não existe, e o que buscamos pode variar de acordo com a música e com o momento!
      Já busquei neutralidade e “frieza” e achei isso no K701, já busquei força e vigor e encontrei no JH13Pro, já busquei um som “cru” e encontrei no Grado e agora estou buscando um fone eufônico e doce, como era o Stax. As coisas mudam, mas uma coisa é certa: essa jornada é maravilhosa!!!
      Um abração!

  • Leo, gostei muito de ler seu texto!! Bacana essa sua jornada! =)
    Pode parecer estranho, mas nunca estive tão feliz com o set que estou no momento ( DAC: MusicStreamer ll+ , AMP: Schiit Asgard e Fone: Beyer DT990 PRO 250 Ohms ). Não basta o fone ser o mais técnico, e sim o conjunto final que possui o som que você procura e que mais te agrada, independente do preço e fama by Head-fi =P o DT 990 PRO 250 Ohms custa menos de $200 e nem é tão bem falado assim, mas é o fone que me faz feliz!

    Abraços,
    Rodrigo

    • Rodrigo, é exatamente isso… acho que esse texto, junto com o meu sobre neutralidade, consegue explicar bem o modo com que vejo o áudio hoje em dia. É tudo uma questão de gosto, neutralidade pura não existe, e o que buscamos pode variar de acordo com a música e com o momento!
      Já busquei neutralidade e “frieza” e achei isso no K701, já busquei força e vigor e encontrei no JH13Pro, já busquei um som “cru” e encontrei no Grado e agora estou buscando um fone eufônico e doce, como era o Stax. As coisas mudam, mas uma coisa é certa: essa jornada é maravilhosa!!!
      Um abração!

  • Anônimo

    Post envovente…nos faz querer ler até o fim..valeu Leo…e não perca o foco nos seus objetivos..!

    • Muito obrigado! Aliás, vale dizer que o verdadeiro objetivo nunca deve ser perdido: a satisfação com a música!

  • Anônimo

    Post envovente…nos faz querer ler até o fim..valeu Leo…e não perca o foco nos seus objetivos..!

    • Muito obrigado! Aliás, vale dizer que o verdadeiro objetivo nunca deve ser perdido: a satisfação com a música!

  • Sr. Burns

    Não quer comprar o meu LCD-2 para fazer um super review??? rsrssrsr

    • Hahahahaha ih Rafael, acho que por enquanto o Grado tá ganhando! Vamos ver se consigo vender o ECD-1 a tempo e aproveitar uma viagem da família!

  • Sr. Burns

    Não quer comprar o meu LCD-2 para fazer um super review??? rsrssrsr

    • Hahahahaha ih Rafael, acho que por enquanto o Grado tá ganhando! Vamos ver se consigo vender o ECD-1 a tempo e aproveitar uma viagem da família!

  • Léo,

    Antes de qualquer coisa quero agradecer pela oportunidade de ler um texto muito bem escrito, por uma pessoa que já ouviu muita coisa boa e escreve como poucos. Parabéns!

    É interessante notar como temos visões diferentes do “Santo Graal” da assinatura sonora. Eu, por exemplo, adorei o EDT 8, achei que tem uma pegada bem enérgica que combina comigo. Percebo que você busca uma som relaxado e ao mesmo tempo forte e sei que isso não é fácil de achar.

    Legal saber que você gostou do HD600, é hoje meu Full Size titular e adoro o som dele. Até prefiro ele ao HD650, que é mais velado, mas que por outro lado tem graves melhores.

    Estou ansioso pro encontro do segundo semestre, devo levar alguns fones e quero saber o que você vai achar deles. Tenho a leve impressão que você vai gostar bastante do Miles Davis Trumpet. 🙂

    Desculpa o comment grande, mas aqui se fez necessário.

    Forte abraço!

    • Opa, valeu Emmanuel!!

      O engraçado é que essa não foi sempre a minha visão; o que eu procuro depende muito do momento, do meu estado emocional, do estilo de música que ando escutando… é engraçado, mas quem mais me agrada atualmente é o Sony EX1000. Ele cai como uma luva no que ando escutando!

      O Edition 8 é maravilhoso, mas eu estou num momento em que quero paz, quero relaxar, e por isso um fone energético e de certa forma agressivo não é muito bem vindo. Ainda tenho meus momentos de rock porrada com Audioslave e Rage Against the Machine, mas ainda nesses casos prefiro a “autoridade suave” do JH13Pro. Sei que parece estranho, mas é por aí! E o HD600 é excelente, confesso que está me fazendo falta hahaha! Vou achar muito interessante ouvir o Trumpet, até porque nunca pude ouvir os IEMs da Monster, e aquele formato dele é no mínimo instigante.

      E não tem por que se preocupar, é um prazer ler e responder os comentários de todo mundo! Aliás, eu escrevo pra mim e pra vcs, e é muito bom saber que tem gente que aprecia o que eu escrevo!

      Um abração!

  • Léo,

    Antes de qualquer coisa quero agradecer pela oportunidade de ler um texto muito bem escrito, por uma pessoa que já ouviu muita coisa boa e escreve como poucos. Parabéns!

    É interessante notar como temos visões diferentes do “Santo Graal” da assinatura sonora. Eu, por exemplo, adorei o EDT 8, achei que tem uma pegada bem enérgica que combina comigo. Percebo que você busca uma som relaxado e ao mesmo tempo forte e sei que isso não é fácil de achar.

    Legal saber que você gostou do HD600, é hoje meu Full Size titular e adoro o som dele. Até prefiro ele ao HD650, que é mais velado, mas que por outro lado tem graves melhores.

    Estou ansioso pro encontro do segundo semestre, devo levar alguns fones e quero saber o que você vai achar deles. Tenho a leve impressão que você vai gostar bastante do Miles Davis Trumpet. 🙂

    Desculpa o comment grande, mas aqui se fez necessário.

    Forte abraço!

    • Opa, valeu Emmanuel!!

      O engraçado é que essa não foi sempre a minha visão; o que eu procuro depende muito do momento, do meu estado emocional, do estilo de música que ando escutando… é engraçado, mas quem mais me agrada atualmente é o Sony EX1000. Ele cai como uma luva no que ando escutando!

      O Edition 8 é maravilhoso, mas eu estou num momento em que quero paz, quero relaxar, e por isso um fone energético e de certa forma agressivo não é muito bem vindo. Ainda tenho meus momentos de rock porrada com Audioslave e Rage Against the Machine, mas ainda nesses casos prefiro a “autoridade suave” do JH13Pro. Sei que parece estranho, mas é por aí! E o HD600 é excelente, confesso que está me fazendo falta hahaha! Vou achar muito interessante ouvir o Trumpet, até porque nunca pude ouvir os IEMs da Monster, e aquele formato dele é no mínimo instigante.

      E não tem por que se preocupar, é um prazer ler e responder os comentários de todo mundo! Aliás, eu escrevo pra mim e pra vcs, e é muito bom saber que tem gente que aprecia o que eu escrevo!

      Um abração!

  • José Brito

    É interessante como um texto longo sobre headphones, que teria tudo pra ser cansativo, se torna extremamente interessante e agradável quando escrito por você, parabéns Leo, vou ficar aguardando os próximos posts.

    • Muito obrigado, José! 🙂
      Pretendo fazer primeiro o comparativo do HM-801 com o DX100, porque acho que já decidi quem vai embora… mas a resposta fica pro review hahahaha!

  • José Brito

    É interessante como um texto longo sobre headphones, que teria tudo pra ser cansativo, se torna extremamente interessante e agradável quando escrito por você, parabéns Leo, vou ficar aguardando os próximos posts.

    • Muito obrigado, José! 🙂
      Pretendo fazer primeiro o comparativo do HM-801 com o DX100, porque acho que já decidi quem vai embora… mas a resposta fica pro review hahahaha!

  • Michel Ferreira

    Otimo post!
    E é interessante saber que você vai fazer um review sobre o HiFiMAN HM-801, estava curioso para saber sua opiniao sobre ele.

    E ficarei no aguardo dos seus proximos posts.

    • Opa, valeu Michel!!
      Nas próximas semanas vou publicar essa avaliação!
      Um abraço!

  • Michel Ferreira

    Otimo post!
    E é interessante saber que você vai fazer um review sobre o HiFiMAN HM-801, estava curioso para saber sua opiniao sobre ele.

    E ficarei no aguardo dos seus proximos posts.

    • Opa, valeu Michel!!
      Nas próximas semanas vou publicar essa avaliação!
      Um abraço!

  • Sr. Burns

    Vc ouviu o GS1000 no 2º evento de SP? Vai ser bem parecido com o PS1000.
    Obs: já vendi o LCD-2!

    • Ouvi sim, Rafael! Mas o que quero é o HP1000, não o PS1000!

      Pelo que sei, o HP1000 é muito diferente de todos os outros Grados, vamos ver!

      E que maravilha!! Tá só com o Denon e o Stax agora?

      • Sr. Burns

        Ops, tinha lido PS1000. Estou só com Denon e JH13. O Stax eu vendi há quase 1 ano.

  • Sr. Burns

    Vc ouviu o GS1000 no 2º evento de SP? Vai ser bem parecido com o PS1000.
    Obs: já vendi o LCD-2!

    • Ouvi sim, Rafael! Mas o que quero é o HP1000, não o PS1000!

      Pelo que sei, o HP1000 é muito diferente de todos os outros Grados, vamos ver!

      E que maravilha!! Tá só com o Denon e o Stax agora?

      • Sr. Burns

        Ops, tinha lido PS1000. Estou só com Denon e JH13. O Stax eu vendi há quase 1 ano.

  • Leandro

    Prezado Leonardo, sou o madhat do htforum… Diga-me, serå que o Orpheus também pode padecer desse mesmo problema do R10? Tenho muita vontade de ainda ter um, entretanto vai demorar uns dois anos para realizar esse sonho, acho… :/

    • Olá, Leandro!
      Até onde sei não, o Orpheus não sofre do problema de deterioração dos drivers (pelo menos não tão cedo), e de qualquer forma, por enquanto a Sennheiser ainda tem peças em estoque pra ele.
      O problema é a dificuldade de se obter um Orpheus hoje em dia, que raramente aparecem no mercado de usados (só existem 300, né) e, quando aparecem, frequentemente é no eBay em leilão, então os valores finais são exorbitantes – coisa de US$35.000 pelo fone mais o amplificador.
      Um abraço!

      • Leandro

        Pois é, por isso que vai demorar para eu comprar! rsss

        Arrependi-me de não ter comprado o do Hugo quando ele o quis vender…

        Enfim, vamos esperando! Parabéns pelo blog! Abraços!

        • Bom, estou torcendo, vai ser um orgulho saber que existem dois Orpheus no país!
          Um abração!

      • Leandro

        Prezado Leonnardo, desisti do Orpheus depois que li um post do Érico no htforum. Até podem existir peças de reposição para ele, mas duvido que haja drivers disponíveis. Tem que ter muita coragem, o que eu não tenho, hehe. Fone fora de fabricação para mim, agora, só se for um mais baratinho. Falando nisso, comprei um JVC HP DX1000, não sei exatamente se ele ainda é fabricado, mas de qualquer forma é difícil de achar, tanto que comprei usado. Por outro lado, como alternativa ao Orpheus, vou esperar você comprar o seu stax 009, ler seu review, e pensar se vale a pena fazer um upgrade no meu 007 + GES. 🙂

        • Opa!
          Leandro, na verdade a informação cedida pelo Érico no HTF não está correta, a Sennheiser ainda possui drivers de reposição para o Orpheus! Não sei quantos, mas tem! Dizem que o DX1000 é um bom fone, mas muitos o consideram um Denon D7000 um pouquinho pior. Mas de qualquer forma sempre foi um fone que me despertou curiosidade!
          E sobre o 009… pois é, ainda estou esperando hahahaha vamos ver quando isso sai!
          Um abração!

  • Leandro

    Prezado Leonardo, sou o madhat do htforum… Diga-me, serå que o Orpheus também pode padecer desse mesmo problema do R10? Tenho muita vontade de ainda ter um, entretanto vai demorar uns dois anos para realizar esse sonho, acho… :/

    • Olá, Leandro!
      Até onde sei não, o Orpheus não sofre do problema de deterioração dos drivers (pelo menos não tão cedo), e de qualquer forma, por enquanto a Sennheiser ainda tem peças em estoque pra ele.
      O problema é a dificuldade de se obter um Orpheus hoje em dia, que raramente aparecem no mercado de usados (só existem 300, né) e, quando aparecem, frequentemente é no eBay em leilão, então os valores finais são exorbitantes – coisa de US$35.000 pelo fone mais o amplificador.
      Um abraço!

      • Leandro

        Pois é, por isso que vai demorar para eu comprar! rsss

        Arrependi-me de não ter comprado o do Hugo quando ele o quis vender…

        Enfim, vamos esperando! Parabéns pelo blog! Abraços!

        • Bom, estou torcendo, vai ser um orgulho saber que existem dois Orpheus no país!
          Um abração!

      • Leandro

        Prezado Leonnardo, desisti do Orpheus depois que li um post do Érico no htforum. Até podem existir peças de reposição para ele, mas duvido que haja drivers disponíveis. Tem que ter muita coragem, o que eu não tenho, hehe. Fone fora de fabricação para mim, agora, só se for um mais baratinho. Falando nisso, comprei um JVC HP DX1000, não sei exatamente se ele ainda é fabricado, mas de qualquer forma é difícil de achar, tanto que comprei usado. Por outro lado, como alternativa ao Orpheus, vou esperar você comprar o seu stax 009, ler seu review, e pensar se vale a pena fazer um upgrade no meu 007 + GES. 🙂

        • Opa!
          Leandro, na verdade a informação cedida pelo Érico no HTF não está correta, a Sennheiser ainda possui drivers de reposição para o Orpheus! Não sei quantos, mas tem! Dizem que o DX1000 é um bom fone, mas muitos o consideram um Denon D7000 um pouquinho pior. Mas de qualquer forma sempre foi um fone que me despertou curiosidade!
          E sobre o 009… pois é, ainda estou esperando hahahaha vamos ver quando isso sai!
          Um abração!

  • Caio Henrique

    olá,muito bom o post legal saber do seu pensamento com musica e ver a sua ”jornada” no reino audiophile hah(desculpe a piada),mas gostaria de saber aonde você compra esses equipamentos?pelo que eu vi no ht forum você é do rio mas você conhece alguma loja em São Paulo que eu possa testar fones como o sennheiser hd 800 e outros do mesmo nivel?obrigado

    • Caio, compro em lojas estrangeiras.
      Não é possível comprar esse tipo de produto no Brasil a preços acessíveis (fora o MercadoLivre), muito menos testá-los.

  • Caio Henrique

    olá,muito bom o post legal saber do seu pensamento com musica e ver a sua ”jornada” no reino audiophile hah(desculpe a piada),mas gostaria de saber aonde você compra esses equipamentos?pelo que eu vi no ht forum você é do rio mas você conhece alguma loja em São Paulo que eu possa testar fones como o sennheiser hd 800 e outros do mesmo nivel?obrigado

    • Caio, compro em lojas estrangeiras.
      Não é possível comprar esse tipo de produto no Brasil a preços acessíveis (fora o MercadoLivre), muito menos testá-los.

  • Hellen

    Olá outra vez, Leo! Parabéns pelo post!
    Então, estou decidida em comprar um Sennheiser entre US$300-400 para usar no iPod e escutar, na maior parte do tempo, música clássica. Por enquanto estou na dúvida entre o HD 25-1 II, o Amperior ou o HD 600. Mas como não acho eles para testar, eu realmente não sei decidir entre um deles ou nenhum deles rsrsrsrs. O que vc indicaria?
    Obrigada,
    Abraço!

    • Olá Hellen!
      Olha, entre eles, o HD600 é sem dúvida superior. Eu vendi o meu mas estou me coçando para pegar outro – vou fazê-lo assim que tiver a oportunidade, gosto muito dele. O problema é que ele é aberto e precisa de alguma amplificação… então não vai ser interessante pra ser usado fora de casa, porque vai vazar som e não vai isolar quase nada. Se vc quiser usá-lo só em casa sem problemas, vale a pena pegar um e um amplificador barato, como por exemplo os da FiiO.
      Se for pra usar fora, ficaria com o Amperior. Dá uma lida nesse comparativo do Amperior com o HD 25-I-II: http://www.innerfidelity.com/content/most-excellent-sennheiser-amperior-and-hd-25-1-ii
      Se vc optar por eles, esse comparativo pode sanar suas dúvidas, já que nunca ouvi um Amperior!
      Boa sorte, depois me conta o que escolheu e se está satisfeita!
      Um abraço!
      Léo

      • Anônimo

        Decidi comprar o hd600, mas impedancia dele é alta. Para usar no iPod em casa, um amplificador qualquer é suficiente? Qual a melhor maneira para eu aproveitar o máximo possível esse fone? Ou o fato de eu usar ele no iPod a maior parte do tempo faz com q seja melhor eu optar pelo Amperius? Ou uma coisa tenha nada a ver com a outra? Rsrsrs
        (É que eu sou iniciante rsrsrsrsrs)

        • Não se preocupe Hellen, pode perguntar à vontade, esse espaço está aberto exatamente pra isso! É um prazer responder e incentivar, principalmente uma audiófila mulher, coisa extremamente rara hahaha!

          Então, acho o seguinte… muitos audiófilos consideram o HD600 um fone difícil de empurrar, e um dos que mais escalam com equipamentos melhores por trás. Minha experiência com ele foi relativamente curta, mas lembro de ter conseguido resultados muito satisfatórios com ele ligado apenas à saída do notebook, mas não cheguei a testar com um iPod. Lógico, com o Meier Eartube e DacMagic por trás ele melhorou, mas no note era super tranquilo. Acho que vc deve sim pegar um amplificador, ele vai fazer diferença, mas não precisa também pegar nada exorbitante.

          Seu raciocínio de talvez optar pelo Amperior pra uso portátil está correto. Se vc estivesse entre um AKG K701 e um Amperior por exemplo, te diria pra pegar o Sennheiser. O AKG é melhor, mas precisa de muita força, o que impossibilitaria o uso com o iPod e exigiria um amplificador portátil com altíssima potência de saída. No entanto, o HD600 é muito mais tranquilo, então ele não exige tanto e sua performance sem amplificação forte já é superior ao Amperior – o que não pode ser dito do K701.

          Em compensação, tenha em mente que, a menos que vc invista num player top (como o HiFiMAN HM-801 ou iBasso DX100) ou num set de mesa, vc não vai tirar o máximo de proveito desse fone. Vai tirar, digamos, 80% dele, mas isso não deve te dissuadir, ele ainda toca muito, e é sem dúvida um dos meus fones favoritos (e olha que já ouvi muita coisa), mesmo sendo usado com equipamentos não tão pretensiosos.

          Então eu pegaria o HD600 sim, e faria o seguinte: se vc pretende usá-lo principalmente com um iPod, pegaria um amp portátil, como os da FiiO, que têm um excelente custo benefício. Um amigão meu é revendedor, se te interessar, te passo o contato. O problema é que vc também poderia investir num set de mesa e ter um resultado mais interessante, sem a vantagem da portabilidade – mas dependendo do quanto vc estiver disposta a investir, pode valer a pena pela melhor performance, ainda que restrita à sua casa. Então vc tem que ver o que é mais interessante pra vc: ter um bom set portátil que pode ser usado em casa, ou ter um ótimo set de mesa e um portátil satisfatório.

          E por último, só uma pergunta: o HD600 é aberto, não isola nada e vaza som, não seria um problema pra uso portátil?

      • Anônimo

        Aliás, Amperior*** rsrsrs

        Hellen 🙂

  • Hellen

    Olá outra vez, Leo! Parabéns pelo post!
    Então, estou decidida em comprar um Sennheiser entre US$300-400 para usar no iPod e escutar, na maior parte do tempo, música clássica. Por enquanto estou na dúvida entre o HD 25-1 II, o Amperior ou o HD 600. Mas como não acho eles para testar, eu realmente não sei decidir entre um deles ou nenhum deles rsrsrsrs. O que vc indicaria?
    Obrigada,
    Abraço!

    • Olá Hellen!
      Olha, entre eles, o HD600 é sem dúvida superior. Eu vendi o meu mas estou me coçando para pegar outro – vou fazê-lo assim que tiver a oportunidade, gosto muito dele. O problema é que ele é aberto e precisa de alguma amplificação… então não vai ser interessante pra ser usado fora de casa, porque vai vazar som e não vai isolar quase nada. Se vc quiser usá-lo só em casa sem problemas, vale a pena pegar um e um amplificador barato, como por exemplo os da FiiO.
      Se for pra usar fora, ficaria com o Amperior. Dá uma lida nesse comparativo do Amperior com o HD 25-I-II: http://www.innerfidelity.com/content/most-excellent-sennheiser-amperior-and-hd-25-1-ii
      Se vc optar por eles, esse comparativo pode sanar suas dúvidas, já que nunca ouvi um Amperior!
      Boa sorte, depois me conta o que escolheu e se está satisfeita!
      Um abraço!
      Léo

      • Anônimo

        Decidi comprar o hd600, mas impedancia dele é alta. Para usar no iPod em casa, um amplificador qualquer é suficiente? Qual a melhor maneira para eu aproveitar o máximo possível esse fone? Ou o fato de eu usar ele no iPod a maior parte do tempo faz com q seja melhor eu optar pelo Amperius? Ou uma coisa tenha nada a ver com a outra? Rsrsrs
        (É que eu sou iniciante rsrsrsrsrs)

        • Não se preocupe Hellen, pode perguntar à vontade, esse espaço está aberto exatamente pra isso! É um prazer responder e incentivar, principalmente uma audiófila mulher, coisa extremamente rara hahaha!

          Então, acho o seguinte… muitos audiófilos consideram o HD600 um fone difícil de empurrar, e um dos que mais escalam com equipamentos melhores por trás. Minha experiência com ele foi relativamente curta, mas lembro de ter conseguido resultados muito satisfatórios com ele ligado apenas à saída do notebook, mas não cheguei a testar com um iPod. Lógico, com o Meier Eartube e DacMagic por trás ele melhorou, mas no note era super tranquilo. Acho que vc deve sim pegar um amplificador, ele vai fazer diferença, mas não precisa também pegar nada exorbitante.

          Seu raciocínio de talvez optar pelo Amperior pra uso portátil está correto. Se vc estivesse entre um AKG K701 e um Amperior por exemplo, te diria pra pegar o Sennheiser. O AKG é melhor, mas precisa de muita força, o que impossibilitaria o uso com o iPod e exigiria um amplificador portátil com altíssima potência de saída. No entanto, o HD600 é muito mais tranquilo, então ele não exige tanto e sua performance sem amplificação forte já é superior ao Amperior – o que não pode ser dito do K701.

          Em compensação, tenha em mente que, a menos que vc invista num player top (como o HiFiMAN HM-801 ou iBasso DX100) ou num set de mesa, vc não vai tirar o máximo de proveito desse fone. Vai tirar, digamos, 80% dele, mas isso não deve te dissuadir, ele ainda toca muito, e é sem dúvida um dos meus fones favoritos (e olha que já ouvi muita coisa), mesmo sendo usado com equipamentos não tão pretensiosos.

          Então eu pegaria o HD600 sim, e faria o seguinte: se vc pretende usá-lo principalmente com um iPod, pegaria um amp portátil, como os da FiiO, que têm um excelente custo benefício. Um amigão meu é revendedor, se te interessar, te passo o contato. O problema é que vc também poderia investir num set de mesa e ter um resultado mais interessante, sem a vantagem da portabilidade – mas dependendo do quanto vc estiver disposta a investir, pode valer a pena pela melhor performance, ainda que restrita à sua casa. Então vc tem que ver o que é mais interessante pra vc: ter um bom set portátil que pode ser usado em casa, ou ter um ótimo set de mesa e um portátil satisfatório.

          E por último, só uma pergunta: o HD600 é aberto, não isola nada e vaza som, não seria um problema pra uso portátil?

      • Anônimo

        Aliás, Amperior*** rsrsrs

        Hellen 🙂

  • Hellen

    Olá!
    Então, vou optar ter um ótimo set de mesa e um portátil satisfatório. Mas o set de mesa vai ter q esperar um pouco, vou comprar o hd600 e já compro um FiiO, o FiiO E11é o suficiente? E por enquanto vou usar o hd600 em casa, no portátil ou no PC.

    Obrigada!!! 😀

    • Na verdade o que quis dizer de um portátil satisfatório foi usar o HD600 diretamente no iPod! Mas acredito que o E11 seja o suficiente sim, já que em 300 ohms ele fornece 13mW e a sensibilidade do HD600 é relativamente alta – 97dB/1mW! Duvido que vc tenha problemas com isso. Só um detalhe, procure um cabo LOD pra usar com o iPod, usar a saída de fones pra ligar ao amp não é o ideal!

      • Hellen

        Comprei o HD600, o E11 e o cabo LOD, estou esperando chegar (só chega em setembro), assim que chegar eu comento o q achei do fone. Ele será o 1° da minha futura coleção de headphones. o//
        Obrigada!

        • Que maravilha, Hellen!! Parabéns! Aguardo suas impressões 🙂

      • hellenromanhol

        Cara, comprei o HD 600, e que fone fantástico! Compraria de novo sem pensar duas vezes, foi a minha melhor compra nos últimos anos. Ele é o meu primeiro fone da minha futura coleção. o/ Obrigada pela ajuda, Leo! Com certeza eu voltarei aqui para pedir conselhos para as minhas próximas aquisições.
        E escutar Symphony of Psalms – Stravinsky nele é uma coisa fantástica!

        • Opa, que maravilha Hellen! Fico muito feliz que vc tenha gostado!!
          O HD600 é um belíssimo fone, e um que já já vai voltar pra minha coleção. Eu sinto falta dele.
          Qualquer coisa que precisar, é só gritar!
          Beijos!

  • Hellen

    Olá!
    Então, vou optar ter um ótimo set de mesa e um portátil satisfatório. Mas o set de mesa vai ter q esperar um pouco, vou comprar o hd600 e já compro um FiiO, o FiiO E11é o suficiente? E por enquanto vou usar o hd600 em casa, no portátil ou no PC.

    Obrigada!!! 😀

    • Na verdade o que quis dizer de um portátil satisfatório foi usar o HD600 diretamente no iPod! Mas acredito que o E11 seja o suficiente sim, já que em 300 ohms ele fornece 13mW e a sensibilidade do HD600 é relativamente alta – 97dB/1mW! Duvido que vc tenha problemas com isso. Só um detalhe, procure um cabo LOD pra usar com o iPod, usar a saída de fones pra ligar ao amp não é o ideal!

      • Hellen

        Comprei o HD600, o E11 e o cabo LOD, estou esperando chegar (só chega em setembro), assim que chegar eu comento o q achei do fone. Ele será o 1° da minha futura coleção de headphones. o//
        Obrigada!

        • Que maravilha, Hellen!! Parabéns! Aguardo suas impressões 🙂

      • hellenromanhol

        Cara, comprei o HD 600, e que fone fantástico! Compraria de novo sem pensar duas vezes, foi a minha melhor compra nos últimos anos. Ele é o meu primeiro fone da minha futura coleção. o/ Obrigada pela ajuda, Leo! Com certeza eu voltarei aqui para pedir conselhos para as minhas próximas aquisições.
        E escutar Symphony of Psalms – Stravinsky nele é uma coisa fantástica!

        • Opa, que maravilha Hellen! Fico muito feliz que vc tenha gostado!!
          O HD600 é um belíssimo fone, e um que já já vai voltar pra minha coleção. Eu sinto falta dele.
          Qualquer coisa que precisar, é só gritar!
          Beijos!

  • gustavo.skn

    Fala Leonardo!
    É o gustavo.skn do HTForum, tudo bom? O Stax Sr-007 melhorou bastante aqui quando passei a usar a interface toslink no lugar do USB! Aproveitando a dúvida da Hellen, eu tenho um Amperior comigo e um Fidelio L1 – comprei exatamente para usar com iPods e iDevices… O DT1350 o que você achou?
    grande abraço!

    • E aí Gustavo! Pô, tô há um tempo pra te mandar um e-mail perguntando como vai o Stax, mas sempre esqueço… gostando dele?

      Legal cara, eu queria muito ouvir o Fidelio, e o Amperior é um excelente fone. Eu gostei muito do DT1350, é bem correto, só tem dois problemas: os graves são demasiadamente fortes e falta definição, e os médios têm alguma coloração que os fazem parecer meio ocos. Mas faz parte, e não dá pra exigir tanto pelo preço! É um puta fone, bem construído pra caramba e isola surpreendentemente bem.

      Abração!

  • gustavo.skn

    Fala Leonardo!
    É o gustavo.skn do HTForum, tudo bom? O Stax Sr-007 melhorou bastante aqui quando passei a usar a interface toslink no lugar do USB! Aproveitando a dúvida da Hellen, eu tenho um Amperior comigo e um Fidelio L1 – comprei exatamente para usar com iPods e iDevices… O DT1350 o que você achou?
    grande abraço!

    • E aí Gustavo! Pô, tô há um tempo pra te mandar um e-mail perguntando como vai o Stax, mas sempre esqueço… gostando dele?

      Legal cara, eu queria muito ouvir o Fidelio, e o Amperior é um excelente fone. Eu gostei muito do DT1350, é bem correto, só tem dois problemas: os graves são demasiadamente fortes e falta definição, e os médios têm alguma coloração que os fazem parecer meio ocos. Mas faz parte, e não dá pra exigir tanto pelo preço! É um puta fone, bem construído pra caramba e isola surpreendentemente bem.

      Abração!

  • Ola Leonardo,

    Gostaria de saber sua opinião sobre os fones da Shure e Koss;

    Abcs

    Nelson

    • Olá Nelson!

      Gosto muito dos fones full-size da Shure. São ótimos, principalmente pelo que custam. Os IEMs acho mais difícil opinar, porque hoje em dia não sou tão fã do top deles (o SE535/SE530), que é o único que já tive a oportunidade de ouvir, exceto pelo antigo SE115. E o problema é que, até onde sei, toda a linha mantém a sonoridade dele, o que significa muito médio e pouquíssimo agudo. Mas ouvi que o SE215 resolveu essa questão e é bem mais equilibrado – resta saber quando (e se) o resto da linha vai acompanhar a mudança.

      Mas essa é a minha opinião, conheço muita gente que é apaixonada pelos IEMs da marca!

      Já sobre a Koss, infelizmente só tive a oportunidade de ouvir o PortaPro, do qual gosto muito. Mas pelo que sei, o The Plug não é bom e o PRO4AA já teve seu tempo. Ah, tem também o ESP950, único eletrostático produzido hoje sem ser da Stax, que dizem ser excelente, só limitado pelo energizer incluso. Sei de pessoas, inclusive, que o preferem a toda a linha Lambda da Stax.

      Um abraço!
      Léo

  • Ola Leonardo,

    Gostaria de saber sua opinião sobre os fones da Shure e Koss;

    Abcs

    Nelson

    • Olá Nelson!

      Gosto muito dos fones full-size da Shure. São ótimos, principalmente pelo que custam. Os IEMs acho mais difícil opinar, porque hoje em dia não sou tão fã do top deles (o SE535/SE530), que é o único que já tive a oportunidade de ouvir, exceto pelo antigo SE115. E o problema é que, até onde sei, toda a linha mantém a sonoridade dele, o que significa muito médio e pouquíssimo agudo. Mas ouvi que o SE215 resolveu essa questão e é bem mais equilibrado – resta saber quando (e se) o resto da linha vai acompanhar a mudança.

      Mas essa é a minha opinião, conheço muita gente que é apaixonada pelos IEMs da marca!

      Já sobre a Koss, infelizmente só tive a oportunidade de ouvir o PortaPro, do qual gosto muito. Mas pelo que sei, o The Plug não é bom e o PRO4AA já teve seu tempo. Ah, tem também o ESP950, único eletrostático produzido hoje sem ser da Stax, que dizem ser excelente, só limitado pelo energizer incluso. Sei de pessoas, inclusive, que o preferem a toda a linha Lambda da Stax.

      Um abraço!
      Léo

  • Bruno

    Olá Leonardo!
    Estou adquirindo um Sennheiser hd 650. Por favor, gostaria de sua sugestão sobre DAC/AMP para empurrar esse fone de forma eficiente. Gosto muito de escutar Rock, (Rolling Stones, Led, Queen, Pink Floyd.. etc). Gostaria de um AMP que intensificasse o grave pois estes estilos de rock mais antigos, tendem a ter um som mais médio. Porém, não gostaria de gastar mais de 250 a 300 dólares.. o que acha?

    Abusando um pouco.., gostaria que desse sua opinião sobre o HD 650.

    Desde já eu agradeço e um grande abraço

    Bruno

  • Bruno

    Olá Leonardo!
    Estou adquirindo um Sennheiser hd 650. Por favor, gostaria de sua sugestão sobre DAC/AMP para empurrar esse fone de forma eficiente. Gosto muito de escutar Rock, (Rolling Stones, Led, Queen, Pink Floyd.. etc). Gostaria de um AMP que intensificasse o grave pois estes estilos de rock mais antigos, tendem a ter um som mais médio. Porém, não gostaria de gastar mais de 250 a 300 dólares.. o que acha?

    Abusando um pouco.., gostaria que desse sua opinião sobre o HD 650.

    Desde já eu agradeço e um grande abraço

    Bruno

  • Bruno

    Complementando meu Post acima, o que acha desses AMPS da JDS Labs Assembled Objective2 Headphone Amplifier(http://www.jdslabs.com/item.php?fetchitem=O2Full) e também C5 Headphone Amplifier (http://www.jdslabs.com/item.php?fetchitem=70). Você acha que tocaria bem o HD 650?
    Obrigado e um abraço
    Bruno

  • Bruno

    Complementando meu Post acima, o que acha desses AMPS da JDS Labs Assembled Objective2 Headphone Amplifier(http://www.jdslabs.com/item.php?fetchitem=O2Full) e também C5 Headphone Amplifier (http://www.jdslabs.com/item.php?fetchitem=70). Você acha que tocaria bem o HD 650?
    Obrigado e um abraço
    Bruno

  • Bruno

    Novamente complementando…. pesquisando sobre AMP`s encontrei (Schiit Valhalla http://www.head-fi.org/products/schiit-valhalla). Está por 350 dólares. O que acha com o HD 650?
    Obrigado e desculpe ficar postando a todo momento…
    Abrs
    Bruno

    • Olá, Bruno! Vou responder a todas as perguntas por aqui. Bom, o HD650 é um excelente fone, estou inclusive com um aqui emprestado. Sou fã do HD600 e o 650, apesar de diferente – é menos neutro mas mais eufônico e refinado –, é um clássico e ainda um belíssimo fone pelo preço. Entre um e outro, o que vai definir é gosto pessoal, mas ambos têm um ótimo equilíbrio tonal e são muito agradáveis. O único problema do HD650 é um ligeiro velo no som.

      Quanto ao amplificador: de fato, gravações de rock clássico carecem um pouco de graves – por isso gosto muito do Celebration Day do Led, rockc clássico com gravação moderna –, e apesar de achar que intensificar esses graves pode ajudar, não sei se vai ser suficiente. Isso é da gravação, e é uma característica muito forte, então não sei até que ponto seria possível corrigir isso de forma correta. Mas, claro, dá pra atenuar. Só acho difícil pensar num amplificador que faça justamente isso… o único que já usei até hoje que deliberadamente adiciona graves é o ALO Audio MKIII-B, mas é portátil e custa bem mais do que o que vc pretende gastar.

      Eu, sinceramente, preferiria pegar um bom amplificador e não me ligaria no incremento dos graves, conviveria com as gravações como elas são. Pra esse objetivo, acho que o JDS O2 é uma boa pedida, por ser bem neutro. Aliás, diga-se de passagem, nunca ouvi nenhum desses amps, estou recomendando baseado no que leio. Acho que o Schiit também trará bons resultados. Outra sugestão, como vi num post do InnerFidelity, é o Bottlehead Crack. Custa $279, mas vem em forma de kit e vc tem que montar. É super simples pelo que parece, e não sei se vc estaria disposto a isso, mas aparentemente é uma das melhores opções pelo preço!

      Um abraço!

  • Bruno

    Novamente complementando…. pesquisando sobre AMP`s encontrei (Schiit Valhalla http://www.head-fi.org/products/schiit-valhalla). Está por 350 dólares. O que acha com o HD 650?
    Obrigado e desculpe ficar postando a todo momento…
    Abrs
    Bruno

    • Olá, Bruno! Vou responder a todas as perguntas por aqui. Bom, o HD650 é um excelente fone, estou inclusive com um aqui emprestado. Sou fã do HD600 e o 650, apesar de diferente – é menos neutro mas mais eufônico e refinado –, é um clássico e ainda um belíssimo fone pelo preço. Entre um e outro, o que vai definir é gosto pessoal, mas ambos têm um ótimo equilíbrio tonal e são muito agradáveis. O único problema do HD650 é um ligeiro velo no som.

      Quanto ao amplificador: de fato, gravações de rock clássico carecem um pouco de graves – por isso gosto muito do Celebration Day do Led, rockc clássico com gravação moderna –, e apesar de achar que intensificar esses graves pode ajudar, não sei se vai ser suficiente. Isso é da gravação, e é uma característica muito forte, então não sei até que ponto seria possível corrigir isso de forma correta. Mas, claro, dá pra atenuar. Só acho difícil pensar num amplificador que faça justamente isso… o único que já usei até hoje que deliberadamente adiciona graves é o ALO Audio MKIII-B, mas é portátil e custa bem mais do que o que vc pretende gastar.

      Eu, sinceramente, preferiria pegar um bom amplificador e não me ligaria no incremento dos graves, conviveria com as gravações como elas são. Pra esse objetivo, acho que o JDS O2 é uma boa pedida, por ser bem neutro. Aliás, diga-se de passagem, nunca ouvi nenhum desses amps, estou recomendando baseado no que leio. Acho que o Schiit também trará bons resultados. Outra sugestão, como vi num post do InnerFidelity, é o Bottlehead Crack. Custa $279, mas vem em forma de kit e vc tem que montar. É super simples pelo que parece, e não sei se vc estaria disposto a isso, mas aparentemente é uma das melhores opções pelo preço!

      Um abraço!

  • Bruno

    Leonardo, muito Obrigado!

    Eu ainda estou na dúvida sobre qual AMP comprar… muito pelo fato que vou ter que comprar fora.. demora a entrega.. então não estou querendo errar. Fiquei muito entusiasmado com o Bottlehead Crack, pelos Reviews que li… mas não tenho muita habilidade com eletrônica.. e tenho medo de fazer uma besteira e danificar o equipamento. Então, estou procurando, procurando, lendo… etc… e daí vão aparecendo diversos modelos, com as mais variadas opiniões. De lá pra cá, achei mais dois modelos que me chamaram atenção. O DAC/AMP da Alo Audio Pan AM (http://www.aloaudio.com/the-pan-am). Apesar de ser um pouco mais caro, achei bem interessante. O que acha? Bom, daí fui procurar no ebay os preços.. e encontrei por acaso este DAC/AMP (acho que é chines) mas com ótimos reviews. Yulong-d100-dac-amp (http://www.head-fi.org/t/499562/review-yulong-d100-dac-amp-reference-quality-with-a-reasonable-price). Fiquei muito interessado.. Bom, você já viu que estou com muita dúvida. Por favor, me ajude pois não aguento mais esperar para comprar heheeh.

    Abraços

    Bruno

    • Entendi, Bruno!

      O Crack pode ser feito mesmo por pessoas sem conhecimento em eletrônica, mas é preciso empenho, definitivamente não é um caminho fácil. Bom, acho que o PanAM é uma excelente opção, assim como o Yulong. Os dois são bem conceituados, e eu acho difícil errar com qualquer um deles. Sinceramente, acho que vc listou duas excelentes opções, que vão te atender muito bem!

      Um abraço!

  • Bruno

    Leonardo, muito Obrigado!

    Eu ainda estou na dúvida sobre qual AMP comprar… muito pelo fato que vou ter que comprar fora.. demora a entrega.. então não estou querendo errar. Fiquei muito entusiasmado com o Bottlehead Crack, pelos Reviews que li… mas não tenho muita habilidade com eletrônica.. e tenho medo de fazer uma besteira e danificar o equipamento. Então, estou procurando, procurando, lendo… etc… e daí vão aparecendo diversos modelos, com as mais variadas opiniões. De lá pra cá, achei mais dois modelos que me chamaram atenção. O DAC/AMP da Alo Audio Pan AM (http://www.aloaudio.com/the-pan-am). Apesar de ser um pouco mais caro, achei bem interessante. O que acha? Bom, daí fui procurar no ebay os preços.. e encontrei por acaso este DAC/AMP (acho que é chines) mas com ótimos reviews. Yulong-d100-dac-amp (http://www.head-fi.org/t/499562/review-yulong-d100-dac-amp-reference-quality-with-a-reasonable-price). Fiquei muito interessado.. Bom, você já viu que estou com muita dúvida. Por favor, me ajude pois não aguento mais esperar para comprar heheeh.

    Abraços

    Bruno

    • Entendi, Bruno!

      O Crack pode ser feito mesmo por pessoas sem conhecimento em eletrônica, mas é preciso empenho, definitivamente não é um caminho fácil. Bom, acho que o PanAM é uma excelente opção, assim como o Yulong. Os dois são bem conceituados, e eu acho difícil errar com qualquer um deles. Sinceramente, acho que vc listou duas excelentes opções, que vão te atender muito bem!

      Um abraço!

  • Carlos Melke

    Boa Tarde, primeiramente meus parabéns pelo ótimo artigo, resta claro que além de conhecer você estudou bastante para fazê-lo.

    Aproveito o ensejo a fim de tirar uma dúvida em relação a headphone que possuo. Tenho um QC15 da bose que utilizo somente em minha casa plugado ao meu note.
    Gostaria de trocar o meu fone por um superior que tenha portabilidade e noise cancelling.
    Tenho dúvidas em relação ao que escolher, não tenho restrição em relação a valores.
    Na sua opinião, qual ou quais headphone me indicaria?
    Muito obrigado!

    Abs

    • mindtheheadphone

      Olá Carlos!

      Em termos da eficácia do cancelamento ativo, o QC15 é o melhor fone disponível no mercado. Também tem boa qualidade sonora, mas existem opções melhores nesse aspecto, como o PSB M4U. E aí você tem que ver o que prioriza, o cancelamento ou a qualidade de som.

      Agora, se você não tem restrição de custo, poderia pensar num in-ear custom. Conhece? São intra-auriculares feitos sob medida para o ouvinte. O isolamento é muito mais eficiente do que os fones com cancelamento ativo e a qualidade de som está léguas à frente. São mais práticos também, por serem pequenos, e como são customizados o conforto também é potencialmente superior. Digo potencialmente porque existe a chance de você não gostar da sensação de um fone in-ear – esse é o único aspecto que pode ser interpretado como negativo caso opte por um fone desse tipo. Já chegou a testar algum?

      Se não te incomodar, é um belíssimo e definitivo upgrade. Um CIEM topo de linha como o JH13Pro ou Ultimate Ears Reference Monitor estão entre os melhores fones no mercado atualmente, de qualquer tipo, com a vantagem do isolamento excepcional e da portabilidade.

      São opções a se considerar. Fiz uma avaliação do JH13Pro, caso lhe interesse: http://mindtheheadphone.com.br/2011/03/19/avaliacao-jh-audio-jh13-pro/

      É um fone que, mesmo após anos de uso, ainda consegue me surpreender. Penso, inclusive, em fazer um upgrade para o sistema JH-3A em breve.

      Espero ter ajudado, e qualquer ajuda é só perguntar.

      Um abraço!

      • Carlos Melke

        Boa noite Leonardo, muito obrigado pela resposta!!

        Li bastante sobre os JH`s, realmente são classe A+, porém não sei se me adaptaria bem a eles, pois se tratam de in ear e isso me incomoda um pouco, com o tempo de uso sinto uma sensação de dor.
        De qualquer sorte irei encomendar o JH13 pelo site e farei o teste. Muito obrigado!!!
        Sobre os headphones grandes você poderia me dar mais algumas dicas?
        1- Existe algo muito superior para uso doméstico se comparado ao QC15 ou não irei perceber diferenças em outros fones grandes?
        2- Algum fone da marca Beats é bom o bastante para superá-lo?
        3- Existe algum fone sem fio que seja superior também?

        Forte abraço e desde já obrigado

        • mindtheheadphone

          Por nada, Carlos! Quando quiser. Mas veja que o JH13 é sob-medida e, por isso, potencialmente o conforto é muito superior ao de in-ears tradicionais. De qualquer forma, é algo que só será comprovado, de fato, num teste. E antes de tudo, os Beats são terríveis pelo que custam. Passe bem longe.

          Quanto aos full-sizes, para uso doméstico há opções excepcionalmente melhores que o QC15. Ele é somente uma boa escolha entre fones com cancelamento ativo de ruídos, o que sempre prejudica a qualidade sonora e só é recomendado se você realmente precisar desse isolamento e não gostar de in-ears. Se você for usar o fone em casa e não precisar do cancelamento, existe uma imensa variedade de opções muito superiores a ele, de marcas como Sennheiser, HiFiMAN, AKG, Grado, Shure, Audez’e, Stax… o desempenho costuma aumentar com o preço, e ambos chegam a níveis bem exorbitantes, como no Stax SR-009. A questão é que, em casos como esse, existe a necessidade de grande investimento em equipamentos associados. Fones de altíssimo nível costumam precisar de amplificadores e fontes dedicadas, que podem custar várias vezes o valor do fone.

          Se você desejar investir em algo mais substancial, uma boa opção seria o Audez’e LCD2, por alguns motivos: ele é um dos poucos que não exige muita força de um amplificador, então você pode ter resultados razoáveis com ele ligado diretamente à saída do notebook. Se ficar baixo, um amplificador barato e portátil, como os FiiO ou JDSLabs O2, já fariam um bom trabalho. Além disso tem uma sonoridade que costuma agradar a todos (menos eu, mas sou a exceção da exceção com isso). É um fone decididamente high-end que pode te mostrar como as coisas ficam no topo do pinheiro. E aí, se gostar do que ouvir, pode vir a investir em fontes e amplificadores dedicados, que vão aumentar o desempenho dele, ou ainda em outros fones. Outra opção, igualmente conveniente mas bem mais confortável e mais barata é o Sennheiser HD650.

          Fones sem fio geralmente não são tão bons, mas há a linha RS da Sennheiser, com o muitíssimo elogiado RS220. Fora isso, existem opções portáteis (os RS não são), como Parrot Zik e Ultimate Ears UE9000. São inferiores, mas provavelmente fazem um bom trabalho.

          Eu, sinceramente, recomendaria uma opção com fio, a menos que essa conveniência seja realmente necessária.

          Um abraço!

          • Carlos Melke

            Leonardo obrigado novamente!!!

            Vou aproveitar mais um pouquinho de seus conhecimentos, se é que me permite é claro.
            Estou fazendo a compra e fiquei na dúvida entre o Audez’e LCD2 e o Sennheiser HD650.
            Vale dizer que o meu uso é diário somente para músicas e MUITOS filmes que assisto direito no note (macbook pro).
            Quanto a portabilidade, ressalto que só levo em viagens de passei dentro de minha mochila, não sei se ambos seriam portáteis como o QC15.
            Forte abraço

          • Carlos Melke

            Leonardo fazendo um aditivo na última pergunta, o RS220 já é superior ao QC15?

            Abs

          • mindtheheadphone

            Por nada, Carlos! Quando quiser.

            Olha, se você preza por alguma portabilidade, eu descartaria o Audez’e, a menos que ele seja usado puramente para música dentro de casa. Apesar de ser excelente sonicamente, o peso e o conforto dele são, pelo menos pra mim, um problema sério. O HD650 é um fone fantástico, e tenho certeza que vai atender às suas necessidades. A única questão é que é aberto, assim como o LCD2, então eles vaza som e não proporciona basicamente nenhum isolamento. Mas acredito que esse não seja um problema, certo? Seria se usado num ambiente barulhento, ou com pessoas ao lado que pudessem se incomodar com a sua música. Não é um vazamento dramático para quem está do lado, mas num lugar silencioso pode incomodar.

            Quanto ao RS220, dizem que ele é parecido com o HD650, então acredito que seja sim superior ao QC15! Vc está entre ele e o HD650?

            Um abraço!