AKG K271 MKII vs. AKG K240 MKII

INTRODUÇÃO

Não é mistério que profissionais de áudio e músicos são bem diferentes de audiófilos, mas é engraçado que haja uma distinção muito evidente entre fones voltados para o mercado audiófilo e para o mercado profissional. Me parece que as exigências são diferentes, e estes têm a preocupação de serem apenas corretos, com um equilíbrio tonal bem julgado, enquanto aqueles têm maiores pretensões: palco sonoro, arejamento, detalhamento extremo, eufonia, e por aí vai. Além disso, é difícil encontrar fones profissionais exorbitantes – o Stax 4070 é o único que conheço.

AKG K271 MKII e AKG K240 MKII

Existem exceções, fones que extrapolam as barreiras e são igualmente usados por ambos os lados – como o famosíssimo JH13Pro e outros monitores customizados. A questão é que os audiófilos os descobriram como o verdadeiro ápice da reprodução musical em in-ears. Mas esse é um caso isolado, e em full-sizes isso não costuma acontecer.

De toda forma, sempre tive boas experiências com eles, que apresentam uma bela maneira de escutar uma boa música por um custo acessível – aliás, o custo benefício me parece ser o forte deles. Também são sempre muito resistentes, o que é necessário visto que eles foram feitos para trabalhar nas trincheiras.

Vou avaliar dois bons exemplos de fones profissionais: os AKGs K240 MKII e K271 MKIIl, ambos voltados para o uso em estúdio, sendo o primeiro semi-aberto e o segundo fechado, para aplicações onde o vazamento de som é inadmissível – como no caso de monitoração em estúdio.

 

ASPECTOS FÍSICOS

Sendo puramente voltados para o mercado profissional, a robustez é imprescindível, e isso fica claro desde o início. São dois fones construídos de plástico, sem excessos ou frescuras, com cabos removíveis e já incluem não só um segundo cabo, mas também um segundo set de pads. Cada um acompanha um cabo normal e outro de mola, como telefones antigos, o que reflete suas vocações profissionais. São cabos que

K240 MKII e acessórios

aparentam serem capazes de aguentar um bom tempo de abuso. Os pads inclusos seguem o mesmo padrão – cada fone acompanha um pad de cada, um de veludo e um de courino. Acho os pads de veludo mais confortáveis, com o toque mais agradável, e não fazem com que a pele sue muito em dias quentes.

Eles também acompanham um adaptador P2 – P10, do tipo rosca, que se atrela muito seguramente ao cabo. Novamente uma das vantagens de fones profissionais. Esse é um adaptador que dificilmente será perdido. Fora os acessórios, não se tem muito: a caixa dos dois é basicamente igual – apenas uma embalagem de papelão suficiente para deixar os fones relativamente seguros e só

Os dois são circunaurais e bastante confortáveis, exercendo uma pressão muito leve nas laterais da cabeça, mas essa característica, aliada ao fato de os pads não serem particularmente volumosos, resulta num isolamento mediano no K271 e fraco no K240, o que é de se esperar visto que é um fone semi-aberto. O fato de ele vazar mais também não é uma surpresa.

 

O SOM

Peguei o K271 MKII numa troca que fiz com um amigo, e recebi uma gama interessante de fones: Sennheiser HD600, Beyerdynamic DT880 Premium, Grado SR-225i, Klipsch X10i e o AKG. Desses todos, o AKG foi definitivamente o que mais me impressionou.

K271 MKII

O que encontrei foi uma sonoridade muito balanceada, se um pouco centrada nos médios, com bom peso nos graves, agudos presentes e médios realmente corretos. Tudo isso num fone robusto e confortável, e com um preço relativamente acessível. Quando ouvi o K240 (Rodrigo, ficam aqui meus imensos agradecimentos pela oportunidade!), encontrei boa parte dessas características por um preço ainda mais baixo. Parece que a AKG tem dois fones excelentes aqui.

A área dos graves é aquela que apresenta a maior diferença entre os dois. O K271 é mais linear nessa área, apesar de apresentar um roll-off considerável, enquanto o K240 apresenta um pequeno incremento nos médio-graves, o que resulta numa apresentação um pouco mais suja nessa região. É curioso que o fone fechado tenha graves mais secos que um semi-aberto, mas é o que acontece. O kick do bumbo é mais convincente no K271, que apresenta mais pegada e controle. Em termos de textura, a situação se repete: o fone fechado é um pouco melhor, tendo graves com mais substância, o que proporciona uma melhor clareza nessa região – apresentando, consequentemente, uma texturização mais interessante. Não é que o K240 não seja bom – ele é, mas em comparação com o K271 os graves são mais vazios e mais “ocos” de certa forma.

Em termos de extensão, os dois são de certa forma deficientes, não conseguindo alcançar com vontade os registros realmente baixos, como na música Midnight Runner, da banda inglesa de drum’n bass Pendulum. Nesse quesito, não encontrei diferenças significativas entre os dois fones.

K240 MKII

Nos médios, a situação se equipara. Os dois são excelentes nessa região e apresentam médios calorosos, com excelente presença. No entanto, são duas apresentações diferentes e escolher entre um e outro vai acabar sendo questão de gosto. O K271 tem médios mais presentes e consideravelmente mais quentes, enquanto no K240 eles são um pouco mais distantes – característica acentuada pelos seus agudos mais proeminentes. É como se o K271 fosse mais próximo do Sennheiser HD600 e o K240 do AKG K701.

O semi-aberto é mais frio, um pouco mais distante, e com uma assinatura sonora consideravelmente mais em V, enquanto o fechado é mais vigoroso, com mais corpo, e mais intimista. Entre as duas interpretações, o que decide é gosto. Conheço muitas pessoas que prefeririam o K240, e muitas que prefeririam o K271. De toda forma, as características principais dos médios – neutralidade, transparência e detalhamento são muito parecidas nos dois fones, e não há como indicar um ganhador.

K271 MKII e acessórios

Nos agudos, a situação é parecida: o K240 tem agudos muito mais proeminentes, mas em compensação existe um pico que os torna excessivamente agressivos em algumas situações. Esse pico pode tornar alguns gêneros muito interessantes, como por exemplo peças acústicas do Kings of Convenience. Nesses casos, o brilho extra dá uma interpretação diferente da música, que não apresenta o calor do K271 mas é de qualquer forma muito agradável. Mais uma vez, temos uma questão de preferência. Se você prefere agudos mais proeminentes, não pense duas vezes e vá no K240 – seu irmão fechado pode decepcionar.

Em termos de detalhamento, os dois são parecidos, já que o K240 apresenta mais detalhes nos registros mais altos – e é mais agressivo por isso – enquanto o K271 os mostra nos médios, que são mais presentes e têm melhor texturização. Quanto ao palco sonoro, esperava que a diferença fosse mais significativa. O semi-aberto tem uma espacialidade mais acentuada, mas a diferença é realmente pequena.

 

CONCLUSÕES

Temos aqui dois fones muito parecidos mas que apresentam interpretações diferentes das músicas. O K271 é mais quente, mais íntimo e, na minha opinião, mais refinado. Tem graves melhores, médios mais próximos e agudos mais lineares e comportados. A sonoridade geral é mais firme, por assim dizer, com mais autoridade. Já o K240 é mais frio e distante (esses não são defeitos, quero deixar bem claro – são características, que muitos preferem, diga-se de passagem), com graves com menos desenvoltura, ótimos médios e agudos mais presentes, se mais ríspidos em algumas ocasiões.

K271 MKII

Como já foi dito, fora nos graves, escolher entre um fone e outro vai ser puramente questão de gosto pessoal. O K271 é, na minha opinião, superior, mas acho perfeitamente compreensível que não o seja para muitos outros audiófilos. O K240 possui uma apresentação mais distante, leve e elegante que, não tenho dúvidas, pode agradar mais em diversos gêneros.

O que podemos concluir é que são dois fones profissionais que têm como ponto forte o custo benefício. Viveria tranquilamente com qualquer um dos dois como meus únicos fones, já que são excelentes all-rounders e conseguem se sair muito bem em basicamente qualquer estilo musical.

Se compararmos o preço dos fones lá fora, eu ficaria com o K271 sem a menor dúvida, já que ele se adequa melhor ao que eu, pessoalmente, procuro num fone de ouvido. No entanto, aqui no Brasil frequentemente a história é diferente, e encontramos o K240 por R$600 e o K271 chegando a custar inacreditáveis R$1.140. Nesse caso, não faz o menor sentido optar pelo mais caro, visto que a diferença de forma alguma justifica a diferente apresentação, e muito menos os meros 30 dólares de diferença entre os fones no exterior. E mesmo quando a diferença de preço é menor, ela ainda é considerável em lojas de equipamentos profissionais, e aí o K240 é definitivamente a melhor opção.

NOTA: O preço dos dois fones no Brasil é muito variável, então coloquei os preços americanos.

 

Ficha Técnica

AKG K271 MKII – US$ 229,00

  • Driver dinâmico único
  • Impedância (1kHz): 55 ohms
  • Sensibilidade (1kHz): 91 dB/1mW
  • Resposta de Frequências: 16Hz – 28kHz

AKG K240 MKII – US$ 199,00

  • Driver dinâmico único
  • Impedância (1kHz): 55 ohms
  • Sensibilidade (1kHz): 91 dB/1mW
  • Resposta de Frequências: 15Hz – 25kHz

Equipamentos Associados:

HiFiMAN HM-801, iPod Classic, Meier Audio Eartube e Cambridge Audio DacMagic.

64 Comments
0
  • Rodrigo Rocha

    Para ajudar um pouco o comparativo, aqui esta um grafico comprarando as respostas de frequencia dos fones.

    http://graphs.headphone.com/graphCompare.php?graphType=0&graphID%5B%5D=2611&graphID%5B%5D=2901

    • Obrigado, Rodrigo!
      Cheguei a olhar esse gráfico durante a composição do comparativo, mas é engraçado que ele não refletiu muito do que ouvi… até cheguei a pensar que poderia ser alguma questão de impedância, mas elas são iguais.
      O K240 tem mais médio-graves, mas não me parece ter tanto a mais quanto o gráfico sugere. O oposto acontece para os agudos. O K240 me parece ter uma quantidade muito maior de agudos do que o K270, o que o gráfico não apresenta.
      Vai entender…

  • NiCO

    Olá! Adorei o comparativo e me ajudou muito. Estou pensando em comprar um dos dois, contudo, há um ponto que, se possível gostaria que me esclarecesse pois vai ser decisivo na minha escolha. Estou montando um home estúdio, e utilizarei o fone como monitor, e como o microfone que vou usar é um condensador, queria saber se é viável utilizar o k-240 mesmo ele sendo um semi-aberto. O tanto que ele vasa do som, é o suficiente para atrapalhar uma gravação?

    Muito obrigado!

    • Muito obrigado, Nico!
      Tenho minhas dúvidas quanto à utilização do K240 nessa situação… minha experiência em estúdio é pequena, e não sei até onde o vazamento desse fone é tolerável. Mas acredito que ele seja o suficiente para aparecer na gravação; se vai atrapalhar, é outra história!
      Acho que para isso o mais seguro seria partir para o K271 mesmo. Uma dica, procure no MercadoLivre, existem vários vendedores oferecendo o K271 por um preço muito honesto! Acho que no seu caso é a melhor pedida!
      Boa sorte!
      Um abraço

      • NiCO

        Muito obrigado pela informação! Foi decisiva na minha escolha. Acabei de comprar o K271. Chega em uma semana! =D

        Abraço! E parabéns pelo trabalho!

        • Espero que vc fique satisfeito! E obrigado, Nico!
          Um abraço!

  • Anderson

    Excelente comparativo, mostrou muitas informações e detalhes!
    Estou pensando em comprar um dos dois fones, pelo que vi, acho que vou gostar mais do AKG K240. E sobre ele tenho uma duvida: Vou usá-lo em um iPod touch, então você acha que é necessário o uso de um amplificador? Vai fazer muita diferença usar um amplificador?

    Valew!

    • Obrigado, Anderson!
      Olha, não acho que um amplificador seja necessário no caso do K240. O resultado com o iPod Touch provavelmente já vai ser bem satisfatório! O amplificador melhoraria a situação um pouco, mas não acho que seja uma melhora particularmente significativa.
      Um abraço!

      • Anderson

        Muito obrigado, vou usa-lo sem o amplificador mesmo.
        Abraço

  • thiago Xavier do Nascimento

    Me interessei bastante no k271, parece ser uma melhor opção, já que os médios são melhores e graves bem texturizados,.. Ia usar mesmo para escutar música e ver alguns filmes.
    Creio que esse deverá suprir minha necessidade com os médios, já que meu ieam é fraquinho nesse frequência! Pois ele é voltado para graves
    O EX 1000 se parece com qual full Size?? E se é possível essa comparação…

    • O K271 MKII é sim um excelente fone, e um que muito dificilmente vai desagradar alguém.

      Sobre o EX1000, acho que a sonoridade dele é muito particular, e tenho dificuldade em pensar num full-size que se pareça com ele. Talvez o AKG K701, mas ainda assim os dois são realmente diferentes.

  • Quando você diz que o K240 MKII soa distante nos médios, seria muito distante como nos sennheisers ? Estava pensando em comprar um K240, mas se ele for distante como o HD439 que eu usei, acho que não é pra mim… Só pra constar, estou usando um Brainwavz B2 (Fischer DBA-02) e estou achando excelente, só faltando um pouco de graves, e diminuindo -4dB no pico dos 10kHz. Queria algo que tivesse bom soundstage mas sem soar sem graça… exemplo: Pink Floyd no HD439 apesar da boa sensação de espaço e na pegada do grave, é muito sem vida.
    vlw

    • Pedro, infelizmente nunca ouvi esse Sennheiser, então não tenho opinar, porque não tenho a referência do que são médios distantes pra você!

  • Olá, excelente artigo. Estou para comprar um fone que terá como exclusiva finalidade ouvir música. Vou ligá-lo, na maioria das vezes, a um receiver vintage Yamaha CR-2020.

    Gostaria de uma opinião para que decida entre os AKG K240 e o K514. Sei da superioridade do K240 em muitos aspectos mas para esta finalidade que mencionei seria mesmo aconselhável pagar mais que o dobro do preço?

    Obrigado!

    • Olá Sandro!
      Infelizmente não sei te responder, por não conhecer o K514. Mas nesse tipo de situação é uma coisa muito pessoal! Certamente o K240 é superior, mas se vai valer ou não a diferença no seu caso, só vc pode responder. O que posso te dizer é que a saída do seu receiver vai ser mais do que suficiente pra qualquer um dos dois fones.
      Um abraço!

      • Te agradeço muito mesmo assim. Sobre a saída do receiver era mesmo o que eu imaginava, até sobra potência. Mas me diga uma coisa: para o K240 a saída de fones do computador (Placa onboard) vai sofrer para empurrar não vai? Se empurrar vai ser sem a devida competência não é?

        • Olha, dependendo do caso, ela até pode empurrar com alguma competência sim. O K240 não é um fone difícil! Mas, certamente, vai se beneficiar de um amplificação um pouco melhor. Vale o teste. De repente um combo amp/DAC honesto já vai te satisfazer, como um FiiO E7. Um abraço!

  • Jurandir Dacol junior

    Fiquei extremamente impressionado com seus posts, não conhecia seu blog, infelizmente.
    Estou tentado a comprar um K240 mk2, mas tambem tenho a oportunidade de pegar um hd 280 pro pelo mesmo preço. Qual vc me recomendaria? Obrigado e parabens pelo blog!

    • Olá Jurandir,

      Infelizmente não tenho como opinar, porque nunca ouvi o HD280! O ideal seria tentar achar alguma outra referência na internet.

      Um abraço, e desculpe por não poder ajudar!

  • Luis cezar

    Olá, gostaria de comprar um akg k240 acoustics( n é o MK II) será que tem muita diferença entre eles??? Quero para ouvir musicas eletronicas no iphone.

    O link do modelo: http://www.noelshack.com/2013-11-1363201792-iphone-image-03-13-2013.jpg

    • Não, é pouca diferença, pode comprar sem medo!

      • Luis cezar

        Mas ele é bom para ouvir musicas eletronicas? E fazer algumas batidas no fluity loops?

  • Claudio Ferrari

    Caramba, belo review! Estava justamente atrás de algo comparativo entre esses dois fones e não achei nada tão completo como este. Parabéns e muito obrigado!

  • Faz algum tempo que eu havia comentado sobre o 271 MKII, achei uma oportunidade boa, que talvez de certo para compra-lo por 90 dolares já com frete(usado/head-fi) será que é um bom investimento? pois curto musica eletronica, uns classicos, uns DUBSTEP da ministry of sound e assim vaii, vou deixar aqui uma pedaço da musica que mostra mais ou menos oq eu to buscando, creio que seja médios cristalinos e graves na medida e agudos sem exagero..
    dos 0,01 até os 0:21 creio eu que de para ter uma noção de espaço ao sensação de ter a musica passando sobre a minha cabeça..
    http://www.4shared.com/mp3/0Q_4BLnI/02_-_Say_Nothing__TC_Remix_.html
    parace até aquelas musicas Binaural sabe, onde o violão é bem detalhado e sabemos onde está cade instrumento…
    tenho um Audio technica CKS77s in ear, não sei se compensa comprar outro in ear ou arriscar em algo como os Full-Size, tava pensando até numa EX600/CKM500/SHURE SE315/XBA-3.. mas pela grana investida não sei se chegaria perto ou superior ao 271 MKII…
    O que vc puder opinar já seria de grande ajuda..
    Queria ter ido em algum encontro de fones, mas não tive férias no periodo, pena , muita pena, nessas horas teria sanado minhas dúvidas..

    • Acredito que o K271 seja uma melhor opção do que in-ears, pelo menos dentro do que vc busca! Acho que vale a pena o investimento!

  • Cássio Henrique

    Olá, grande review. Serviu para sanar muitas de muitas duvidas. Ótimo blog.
    Mas agora que já decidi, entre os dois, pelo K271, tenho outra. Estou entre ele e o Sennheiser HD 598. O último é uns 30 dólares mais caro, mas acredito que seja pouco a pagar por algo que me deixaria satisfeito. Já olhei em muitos lugares review sobre ele, mas a principio parecem ser parecidos. A princípio estou mais favorável ao hd 598. Meu gosto varia de metal a música clássica, então acho que um all-rounder seria ótimo e os dois são considerados assim. Você teria uma opinião a respeito? Obrigado.

    • mindtheheadphone

      Obrigado, Cássio!

      Infelizmente nunca ouvi um HD598, mas conheço o antigo 595 e, aparentemente, são bem parecidos. Acho que em termos sonoros vai ser mais uma questão de preferência: imagino que o AKG seja mais detalhado e para a frente, enquanto o Sennheiser seria mais relaxado e refinado. Mas, em termos físicos, o HD598 é certamente mais luxuoso e com uma melhor qualidade de construção. Acho improvável que vc não fique satisfeito com qualquer um dos dois!

      Um abraço!

  • Raul Socoloski

    Muito legal seu review, porém fiquei com uma grande dúvida. Estava prestes a importar um Sennheiser HD600 quando surgiu uma oportunidade de comprar um Shure Srh940 (de um conhecido q esta fechando um estúdio) por um preço muuuuito convidativo (R$550,00 e absolutamente novo). Sendo que o SRH940 custa cerca de 250 dolares e o HD600 chegaria em minha casa passano dos R$1.000,00, com taxas etc, achei o negócio interessante, porém, o shure é um fone direcionado para o mercado profissional, embora pelo q andei lendo ele possua um grande nível de detalhamento, fico na dúvida com a capacidade dele reproduzir nuances. Bom sou meio novo no assunto e encontrar opiniões sinceras ta meio difícil por ai, não querendo abusar da boa vontade, caso possa me dar uma opinião ficaria muito agradecido, desde já muito obrigado!

    • mindtheheadphone

      Olá Raul,

      Infelizmente nunca ouvi um SRH940, então é difícil opinar com propriedade. Mas, analisando os gráficos do HeadRoom, parece que os dois são consideravelmente parecidos. Veja que os dois são direcionados ao mercado profissional, não apenas o Shure.

      Se a diferença de preço não fosse considerada, ficaria com o Sennheiser. Mas, pela metade do preço… não há o que pensar, certamente iria no Shure. Na pior das hipóteses, se não ficar satisfeito, você consegue vendê-lo pelo que pagou! Por isso, me parece a melhor opção.

      Um abraço!

  • Raul Socoloski

    Bom, acho que irei aproveitar o bom preço do Shure SRH940. Gostaria de ter mais informações, mas, tomara que eu tenha boas impressões dele. Valeu pela atenção.

    Um grande abraço!

    • mindtheheadphone

      Por nada Raul, boa sorte!

      Um abraço!

  • Alexandre Penna

    olá Leonardo,tudo bem?
    Gostei muito do post, eu estou na duvida e talves voce possa me ajudar. Eu estou querendo um fone pra poder ouvir em casa minha musicas, que estao ou no meu nokia 808, ou em alguns CDs ou raros SACDs. tambem tenho uns filmes que prefiro usar fones para nao incomodar ninguem. Mas queria um fone bom, e queria saber se vale a pena investir num k271 ou seria melhor os fone mais baratos como o k450 ou mesmo o k619, ou outra marca qualquer. Voce teria uma sugestao para um bom primeiro fone?

    • mindtheheadphone

      Olá Alexandre,

      Bom, o valer a pena é totalmente pessoal, e só você vai poder julgar. Sobre opções, acho que o K271 é excelente, assim como o K240, o K99 e o K77. Outra bela opção é o Koss PortaPro. Só fique ligado em falsificações!

      Um abraço!

  • fernando

    Gostaria de saber sua opiniao sobre o sennheiser hd 518,se ele e bom e se vale a
    pena compralo para usar no ipad

    • mindtheheadphone

      Fernando, nunca ouvi um, então não sei te responder!

  • julio iglesias

    Olá Senhor,

    Sou eu novamente, como informei em outro post do senhor, sou amante da qualidade sonora das musicas,
    Com isso comprei o K240 MKII, achando que seria um fone de uso cotidiano, me enganei feio, como ele é voltado para estúdios o mesmo nao isola o ruido e por ser muito grande nao e possível usar na Rua,rsrrs
    como ele tem uma qualidade boa pensei em vender e comprar um outro AKG para usar no dia dia, mais gastei muito dim dim no fone, e para vender por preço menor não é viável , com isso eu uso ele em casa no notebook para assistir filmes e escutar musicas kkk

    mais como vc disse o fone K240 MKII é muito bom.
    gostei das informações do seu post.

    Parabéns.

    • mindtheheadphone

      Olá Julio, boa noite!

      Obrigado! De fato, o K240 é um ótimo fone mas não dá pra usá-lo como portátil.

      Um abraço!

  • Leonardo

    Estou querendo muito comprar um Akg k240, sobre a qualidade do produto eu não tenho dúvidas. Vou usar ele em casa plugado no meu iphone e notebook, minha dúvida é se eu perderia muito qualidade sonora ou ou volume ficaria muito baixo? Obrigado.

    • mindtheheadphone

      Olá Leonardo,

      O K240 não é um fone particularmente exigente, mas também não possui a sensibilidade de um in-ear. Acredito que vc terá um bom volume sim, mas ele não vai ser tão alto quanto um fone comum. Eu não me preocuparia.

      Um abraço!

  • Rodrigo dos Anjos

    Estou com duvida em relação a neutralidade e equilíbrio tonal, estou querendo comprar um fone nessa faixa de preço, gostaria de saber se o AKG k271 é melhor do que o HD 449 Sennheiser, nas questões de ser neutro e equilíbrio tonal?
    AH parabéns pela ótima matéria.

    • Obrigado, Rodrigo!

      Em termos de neutralidade, acho que o K271 é superior. É mais aberto, enquanto o HD449 é bem mais relaxado.

      Um abraço!

      • Rodrigo dos Anjos

        Muito obrigado pela resposta rápida Leonardo, estou conseguindo tirar bastante duvidas com o seu site, continue sempre postando coisas novas.. sou ainda um aspirante audiófilo…rs
        Estou começando a me interessar bastante no mundo dos fones high end

        Abraço!!

  • Guilherme Santos

    Bom dia!
    Parabéns pela resenha! Além de bem escrita, achei muito esclarecedora, porém fiquei com uma dúvida.
    Estou procurando um fone para tocar guitarra em casa. Possuo um amplificador valvulado da marshall, modelo dsl 5C e gostaria de saber se esses fones são bons para essa finalidade. Estou procurando na internet, mas achar informações tão específicas é bem difífil, o que encontro é muito baseado em achismo e nada parecido com o nível dos detalhes falados.

    • Olá Guilherme, muito obrigado!

      Bom, até onde sei as saídas de fones de amplificadores para instrumentos não são muito boas, mas quebram um galho. Os AKGs não são fones tão difíceis, mas também não são dos mais fáceis, então é um pouco difícil prever o resultado… acredito que a melhor opção pra tocar com um fone seria uma boa interface.

      Sinto muito por não poder ajudar tanto!

      Um abraço!

      • Guilherme Santos

        Muito Obrigado pela resposta.
        Acho que vou procurar um amigo músico que tenha um fone para emprestar e ver como ele responde no meu amplificador.
        Abraços!

  • Gustavo Guimarães

    Qual headphone Over ear da AKG vc me recomenda?
    Uso: Heavy Metal/ Filmes.

    PS: Importa não é uma opção!

    Obrigado,

    • Gustavo, por que a restrição de marca somente à AKG?

      • Gustavo Guimarães

        Não tem restrição! Rsrs
        O que vc acha do SHP9500?

        • Gustavo, não sei porque nunca ouvi… de qualquer forma, como também não tenho seu orçamento, dê uma olhada então no Tópico de Indicações do nosso fórum ou então nas indicações de fones do Guia MTH. Lá vc vai poder ver várias indicações de modelos em diferentes faixas de preço.

          Abraço!

  • Daniel Braga

    Olá Leonardo !

    Acabei de comprar um AKG K240 (me parece que um modelo anterioir ao K240 MKII, mas possui os mesmos aspectos técnicos) por apenas 58 dólares na Amazon. Gostaria de saber se devido a impedância de 55ohms seria necessário o uso de um DAC/amplificador para uso no Ipod, Notebook e etc. E mesmo que não venha a ser totalmente necessário, o uso de um dac/amplificador traria alguma melhoria significativa a ponto justificar o investimento ?

    Obrigado.

    • Olá, Daniel!

      Não acho que seja necessário – vc já deve ter um resultado muito bom com os seus equipamentos atuais.

      Um abraço!

      • Daniel Braga

        Obrigado Leonardo !

        Só uma outra pergunta, acabei escolhendo o K240 um pouco que por impulso escolhendo entre ele e o K92. Os dois estavam na mesma faixa de preço, no entanto, deduzi que o K240 deveria ser um pouco melhor por seu preço de mercado normalmente ser um pouco mais alto do que o que eu encontrei, e por parecer ter uma construção e acabamento com melhores materiais do que o K92. Mas lendo sua análise agora, fiquei um pouco na duvida se acertei na escolha, pois o uso seria não seria para fim profissional. Somente para apreciar uma boa música em casa mesmo. Não tenho lá aquele ouvido super treinado, apenas umas noções básicas que aprendi operando mesa de som (uma Yamaha 01V96i) por alguns anos na minha igreja. Enfim, por ja ter usado o K240, para um uso mais hobbista, em um ouvido não tão exigente, você acha que essas nuances seriam muito perceptíveis ?
        Tinha anteriormente um AKG Q460 (semelhante ao K450) – semi-aberto também, se não me engano – e sempre estive muito satisfeito com o som dele.

        • Oi Daniel,

          Independentemente de qualquer coisa, o K240 é um ótimo fone – não acho que seja necessário ter treinamento profissional para apreciá-lo. Bons fones são bons fones, e nesse caso, acho que não há escolha errada 🙂

          Fique tranquilo com seu K240.

          Um abraço!

  • Maurice Cohen

    Grande Leonardo… pode ser uma pegunta estupida… mas vc acha que vou sentir muita diferenca entre o 681 e o K240 mk2? apareceu uma oportunidade de um novo por 300 reais,… é um bom negocio? obrigado

    • Acredito que sim, Maurice! Por esse preço, acho que vale bastante a pena.

      Um abraço!

  • Kleiton Robert

    Leonardo, boa noite. Primeiro parabéns pelo site e pelo conteúdo. Estou pensando em comprar o k240 Mii para usar em meu home studio, só que tenho uma duvida. Por ele ser aberto o vazamento é muito grande a ponto de atrapalhar na gravação? Visto que pretendo usa-lo para monitoração e também gravar instrumentos acústicos e voz com ele. Muito obrigado.

    • Olá Kleiton, obrigado!

      Não me lembro bem se o vazamento era pronunciado, mas certamente é um potencial problema. Eu tentaria esticar um pouquinho o seu orçamento e pegar um Audio-Technica M40X.

  • Odorico Carvalho

    Estava acostumado com um AKG K414 P, baratinho, que tem uns graves fortíssimos e um nível de volume também. Como estou começando com meu home studio, comprei agora o AKG k240 KII e a diferença nos graves é gigantesca. É como se no 240 os graves ficassem quase sumindo. Claro, que o brlho e a nitidez de médios e agudos são impressionantes, mas, salvo o juízo de profissionais de alto nível,acho que os graves do 240 deveriam ser mais presentes.

    • Odorico, é que em áudio tudo é uma questão de perspectiva. O K414 é um fone com graves muito fortes, então quando vc passa pra um K240, que é bem mais neutro mas tende um pouco para uma apresentação mais leve e arejada, sente falta dos graves. Mas é um fone muito mais natural!